Ronaldinho Gaúcho rejeita aposentadoria após sair do Fluminense

Ronaldinho Gaúcho rejeita aposentadoria após sair do Fluminense

Jogador ainda fala sobre clima político conturbado no Fluminense

O Estado de S. Paulo

07 de outubro de 2015 | 16h55

O ex-meia do Fluminense Ronaldinho Gaúcho afirmou nesta quarta-feira, em entrevista à rádio gaúcha Rede Atlântida, que não pretende pendurar as chuteiras após a passagem frustrante nas Laranjeiras. O jogador também disse que tem recebido sondagens desde que saiu do tricolor carioca.

"Ainda vou continuar (jogando) por mais um tempo. Propostas aparecem todo dia. Me sinto bem de saúde. É um sinal de que outros clubes ainda estão interessados em mim", garantiu. "Pelos meus treinamentos, vejo que ainda posso jogar no mesmo nível dos jogadores de hoje em dia. E isso me dá vontade de continuar."

O ex-craque da seleção brasileira e do Barcelona ainda negou que tenha tido problemas com o consumo de bebidas alcoólicas, como chegou a afirmar o presidente da principal patrocinadora do Flu, Neville Proa, após a saída do atleta.

Ronaldinho também garante que não sentiu dificuldade em se adaptar à carga de treinos no clube. "A parte de treinamento não foi problema. Problema foi não conseguir corresponder durante os jogos. Eu vinha em uma fase em que eu não estava bem, o time do Fluminense também não estava bem. Tudo veio a calhar, tudo junto. Mas nunca chamaram minha atenção no treinamento, sempre procurei fazer o meu melhor", disse ele, que pensa no seu futuro. "Agora vou tirar um tempo para descansar, sem pensar em nada. Daqui a uns dias vejo o que vou fazer."

O jogador ainda comentou o conturbado ambiente político vivido pelo clube, onde jogou nove partidas e não fez gols durante sua passagem de pouco mais de dois meses. "Às vezes, as pessoas inventam (histórias). Principalmente no Fluminense, onde tem uma guerra política muito grande. Outras pessoas querem entrar na diretoria." 

Tudo o que sabemos sobre:
Ronaldinho GaúchoFluminensefutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.