Ronaldinho Gaúcho completa a volta por cima com título

Em 2012, meia foi contratado sob desconfiança após passagem irregular no Flamengo

LEANDRO SILVEIRA, Agência Estado

25 de julho de 2013 | 00h48

BELO HORIZONTE - A conquista do título da

O descanso deu certo e Ronaldinho Gaúcho fez de tudo na Libertadores. Pediu a água ao goleiro Rogério Ceni e, em seguida, deu passe para gol na estreia no torneio, tirou fotos com jogadores do The Strongest, fez golaços contra o argentino Arsenal, iniciou a virada diante do São Paulo no Morumbi, converteu a sua cobrança na disputa de pênaltis diante do Newell''s Old Boys e exibiu irritação ao ser substituído no primeiro jogo da final da Libertadores.

Decisivo para o maior título da história do Atlético-MG, Ronaldinho Gaúcho igualou os feitos dos brasileiros Dida, Cafu e Roque Junior e dos argentinos Carlitos Tevez, Walter Samuel e Juan Pablo Sorín, únicos jogadores que já conquistaram a Libertadores e a Liga dos Campeões da Europa. Mas apenas o trio de brasileiros, ao qual agora se junta o astro atleticano, teve a honra de vencer também a Copa do Mundo.

Ao reencontrar as suas boas atuações no Atlético-MG, Ronaldinho Gaúcho assumiu como metas a conquista de um título que o colocasse na história do clube como um dos seus maiores ídolos e voltar à seleção brasileira para disputar a Copa do Mundo de 2014.

O primeiro objetivo foi alcançado, mas o segundo parece, hoje, um sonho distante, diante do sucesso do Brasil na Copa das Confederações sem a sua presença. Ronaldinho Gaúcho, porém, termina essa Libertadores reconhecidamente com a repetição das grandes atuações e do futebol vistoso que o fizeram se consagrar como um dos maiores jogadores da história recente e podem ajudá-lo a convencer o técnico Luiz Felipe Scolari a chamá-lo para a próxima Copa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.