Bruno Cantini/Divulgação - 5/3/2013
Bruno Cantini/Divulgação - 5/3/2013

Ronaldinho Gaúcho define o Atlético-MG como 'bagunça organizada'

Meia fala sobre esquema tático armado por Cuca que dá liberdade aos jogadores de frente

AE, Agência Estado

11 de abril de 2013 | 17h09

BELO HORIZONTE - Ronaldinho Gaúcho definiu o Atlético-MG como uma "bagunça organizada" em entrevista concedida nesta quinta-feira ao canal por assinatura SporTV. O craque falava em referência ao esquema tático armado pelo técnico Cuca, que dá liberdade aos jogadores de frente e que vem funcionando até agora. O time mineiro é o único com 100% de aproveitamento na Libertadores.

"Todos têm essa facilidade de poder se movimentar por qualquer parte do campo. Nosso compromisso de ajudar na marcação é cada um voltar na posição do outro. Nosso time é uma bagunça organizada, porque a gente tem liberdade para bagunçar quando estiver com a bola e sem a bola cada um cumpre uma função", explicou o meia-atacante.

Para ele, a montagem do elenco foi decisiva para o Atlético-MG viver o excelente momento atual. "Todas as posições têm dois ou três jogadores que podem se manter no mesmo nível. Mesmo trocando jogadores a gente mantém o ritmo de jogo. O segredo é nos deixar à vontade para a gente fazer o que a gente gosta e só nos dar uma função sem a bola. O segredo é esse: nos deixar à vontade", reforçou Ronaldinho.

Outro ponto levantado pelo craque na entrevista foi a boa condição física dos jogadores do Atlético-MG, muito disso fruto do trabalho do preparador Carlinhos Neves. "Poucos jogadores passam por lesão. Isso é fundamental ter um grupo que não perde muitos jogadores e chegam bem para jogar os 90 minutos em ritmo forte."

Instigado a comparar o futebol do Barcelona de sua época com o Atlético-MG atual, Ronaldinho foi sincero e reduziu o fator de comparação aos momentos dos dois clubes. "Tem algumas coisas que lembram. Quando eu cheguei no Barcelona, era época em que o Real Madrid tinham os galácticos, vencendo por muitos anos. Cheguei no Atlético quando o time estava há muitos anos sem participar da Libertadores. Fazer parte dessa volta por cima lembra muito quando cheguei no Barcelona. Espero que finalize como no Barcelona, ganhando títulos", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.