Norberto Duarte / AFP
Norberto Duarte / AFP

Ronaldinho Gaúcho tem acumulado sucessivas derrotas na Justiça paraguaia 

Ex-jogador e irmão estão presos em um hotel de Assunção acusados de usarem passaportes falsos para entrar no país 

Raphael Ramos, O Estado de S.Paulo

15 de julho de 2020 | 08h00

Preso desde o dia 6 de março acusado de usar passaporte falso para entrar no Paraguai, Ronaldinho Gaúcho tem acumulado sucessivas derrotas na Justiça do país vizinho. O último revés foi sofrido na semana passada, após a Quarta Corte de Apelação de Assunção rejeitar recurso de seus advogados, que questionam a maneira como o processo vem sendo conduzido. "O recurso, de decisão não unânime, não tinha como objeto o mérito. Não discutia os fatos. O recurso tinha como objeto a questão processual e, diante da decisão, será interposto novo recurso", disse ao Estadão Sérgio Queiroz, advogado de Ronaldinho.

Até o momento, a única vitória do ex-jogador nos tribunais paraguaios foi em abril, quando ele conseguiu deixar a cadeia e ir para a prisão domiciliar, em um hotel de Assunção. Mas, antes a Justiça já havia negado duas vezes o pedido e só aceitou após fiança de US$ 1,6 milhão (aproximadamente R$ 8,5 milhões) paga por Ronaldinho e seu irmão, Assis, que foi preso junto com ele. Antes de ir para o hotel, Ronaldinho estava em um centro de detenção da polícia que abriga políticos processados por corrupção e presos por narcotráfico. Mesmo no presídio considerado de segurança máxima, o ex-jogador e o irmão mantinham contato com familiares no Brasil, inclusive por videochamadas.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
O recurso, de decisão não unânime, não tinha como objeto o mérito. Não discutia os fatos. O recurso tinha como objeto a questão processual e, diante da decisão, será será interposto novo recurso
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Sérgio Queiroz, Advogado de Ronaldinho

O ex-jogador e seu irmão estão proibidos de deixar o Paraguai acusados de "uso de documentos públicos com conteúdo falso". A pena para esse tipo de delito no Paraguai prevê até cinco anos de prisão. Ele já está lá há quatro meses. Os promotores investigam ainda suposta participação de Ronaldinho e o irmão em uma organização criminosa especializada em falsificação de documentos e lavagem de dinheiro.

O caso virou um escândalo no Paraguai e atingiu vários funcionários da Diretoria de Migração e do Departamento de Identificação, que emitem passaportes e cartões de identidade, além de fiscais do Aeroporto Internacional de Assunção. Dezoito pessoas foram detidas por envolvimento no caso. Seus advogados tentam trazê-lo para o Brasil a fim que possa responder ao processo em sua casa. Desde que começou as investigações, ele tem cooperado com os agentes paraguaios.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.