Ronaldinho Gaúcho vence disputa por site

A fama internacional causa algumas dores de cabeça e processos na justiça para Ronaldinho Gaúcho. O usuário da Internet que digitar www.ronaldinhogaucho.com corre o risco de não encontrar o que busca. O site, apesar do nome, se dedica a vender produtos, indicar hotéis onde ficar em Barcelona e ainda conta com material pornográfico. O site, embora traga vídeos de gols de Ronaldinho Gaúcho e várias menções ao jogador, não foi nem elaborado pelo atleta e nem registrado por seus empresários. Para acabar com essa confusão, o jogador do Barcelona, que disputa na próxima segunda-feira o título de melhor do mundo em 2004, foi obrigado a recorrer a um tribunal da ONU para ter o website cancelado.Nesta quinta-feira, os árbitros da Organização Mundial de Propriedade Intelectual (OMPI), agência da ONU, decidiram exigir que o autor do site, o texano David Webb, devolvesse o endereço eletrônico ao jogador.O caso foi iniciado em julho, mas o autor do site jamais respondeu às perguntas feitas pelos árbitros internacionais, que pediram esclarecimentos sobre o motivo da abertura da página na internet com o nome de Ronaldinho Gaúcho. Quando registrou o endereço eletrônico, o norte-americano ainda falsificou o número de seu telefone de contato.A ONU aponta que esse é um fenômeno comum e, por semana, três novos casos chegam a seus árbitros sobre o uso indevido de nomes de astros internacionais em páginas de internet. Apesar de claramente ser uma violação dos direitos de Ronaldinho, o árbitro internacional teve de provar que o nome do jogador era de fato usado exclusivamente pelo atleta Ronaldo de Assis Moreira.Para isso, argumentou que o brasileiro "é um dos jogadores mais conhecidos do mundo na atualidade", que sempre usou esse nome durante sua carreira profissional e que seu nome e sua imagem são usados por empresas como Nike e Pepsi mediante contratos.A ONU ainda aponta que o atacante já registrou seu nome como uma marca no Brasil em 2000 de onze formas diferente, ainda que uma decisão do Instituto Nacional de Propriedade Industrial não tenha sido divulgada até agora. O árbitro ainda afirma que "Ronaldinho Gaúcho" se tornou um nome com um valor comercial e que seu uso pelo autor da página na internet foi de má-fé e tinha como objetivo lucrar com a fama do brasileiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.