Ronaldinho manda mensagem de apoio a Eduardo da Silva

Meia-atacante do Barcelona diz torcer para que o colega se recupere e volte aos gramados rapidamente

Milton Pazzi Jr., estadao.com.br

28 de fevereiro de 2008 | 15h15

Duas vezes eleito o melhor do mundo, Ronaldinho Gaúcho é um dos jogadores mais caçados em campo pelos marcadores. Até hoje, para sua sorte, ele nunca foi vítima de uma jogada mais crítica, como a que aconteceu com Eduardo da Silva, do Arsenal. Em uma teleconferência de imprensa nesta quinta, ele mandou sua mensagem ao colega de profissão."Eu queria enviar saudações, muito ânimo, que dê tudo certo para ele", disse o meia-atacante do Barcelona. Os jornalistas que participaram do evento o questionaram ainda sobre o fato de não ser mais a única estrela do time, dividindo o posto com Lionel Messi. "Creio que Messi é um dos melhores do mundo, é uma alegria ter alguém aqui de tanta qualidade", resumiu.O motivo da teleconferência foi a assinatura de um contrato de patrocínio de Ronaldinho, agora com a Nutrilite, que produz vitaminas, minerais e suplementos alimentares. Na próxima temporada, a empresa promete doar uma quantia, não divulgada, a instituições sociais, a cada gol marcado pelo jogador.Ronaldinho falou de sua própria fundação, sediada em Porto Alegre. "Eu tenho esta alegria de ter uma fundação, todos os dias. Estamos estudando [expandir para outros lugares], quanto mais países, melhor". Ronaldinho, agora, volta a treinar com o time, que joga contra o Atlético de Madrid.FUTURO NO BARCELONA O atacante brasileiro Ronaldinho Gaúcho, do Barcelona, afirmou que considerou normal ter ficado no banco no jogo contra o Valencia, pela Copa do Rei, pois entende o sistema de rotações estabelecido pelo técnico holandês Frank Rijkaard no Barcelona."As rotações são uma coisa normal em um grupo de jogadores com tanta qualidade. O técnico as realiza para que todos estejamos bem fisicamente e satisfeitos", declarou Ronaldinho Gaúcho em uma entrevista coletiva.Além disso, Ronaldinho Gaúcho afirmou que considera normal as cobranças que ele e o Barça estão sofrendo. "É normal, ninguém gosta de ser criticado. Quem tem boca fala e não é agradável escutar certas coisas, mas isto me serve de motivação para estar no máximo nível", declarou.Ao ser questionado pela sua presença no Barcelona na próxima temporada ele se saiu com a seguinte afirmação: "O futuro pertence a Deus, eu tenho mais vários anos de contrato e me vejo aqui." (com EFE)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.