Ronaldinho não deve enfrentar a Bolívia

A seleção brasileira se apresenta amanhã ao técnico Carlos Alberto Parreira com um problema: o atacante Ronaldinho Gaúcho não deve ter condições de enfrentar a Bolívia, dia 5, pelas eliminatórias da Copa do Mundo de 2006. Ele deixou Barcelona hoje aborrecido com a lesão no ligamento lateral externo do tornozelo direito, contusão sofrida durante a decisão da Copa da Catalunha, dia 21, num jogo entre Barcelona e Espanyol - foi atingido com violência numa dividida de bola pelo zagueiro Soldevilla. Ronaldinho Gaúcho disse que não se sentia confortável em viajar "lesionado". "Tenho de seguir as normas. Se não estiver 100% por cento, não vou jogar. Mas ainda há uma semana para eu melhorar", declarou, pouco antes de embarcar, em Paris, no vôo que o traria para o Rio de Janeiro. Ele ficou fora da partida do Barcelona com o Milan, no meio de semana, em que estava em disputa o Troféu Juan Gamper. E no domingo desfalcou novamente sua equipe na estréia do Campeonato Espanhol, contra o Racing Santander. O Barcelona queria que o atleta permanecesse na cidade, a fim de dar seqüência ao trabalho de recuperação, com sessões diárias de fisioterapia. Mas é de praxe, em casos assim, que o jogador se apresente à comissão técnica da seleção para ser avaliado. Essa medida foi adotada pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF), temerosa de que algum clube pudesse não liberar atleta convocado, alegando contusão inexistente ou de pouca gravidade. A ausência de Ronaldinho Gaúcho em jogos importantes da seleção brasileira tem se repetido nas atuais eliminatórias. Das sete partidas disputadas até agora pelo Brasil na competição, o atacante ficou fora de cinco. Somente em uma delas por cumprir suspensão - exatamente na estréia contra a Colômbia, em 7 de setembro do ano passado, em Barranquilla. Três dias depois, ele foi o autor do gol da vitória da seleção sobre o Equador. Atuou ainda contra o Paraguai, em março. Nas outras oportunidades, desfalcou o Brasil sempre por motivo de contusão: foi assim nos confrontos com Peru e Uruguai, em novembro de 2003 e, mais recentemente, nas duas partidas da seleção disputadas em junho: com Argentina e Chile. O médico da seleção, José Luiz Runco, vai examinar o atleta amanhã em Teresópolis e não quis fazer nenhum comentário antecipado sobre a situação de Ronaldinho Gaúcho. "Eu sei do problema, e amanhã, com calma, vamos conversar e ver como ele está reagindo ao tratamento", disse. Se o pentacampeão mundial for vetado, Parreira não poderá contar, ao todo, com seis titulares na partida com a Bolívia. Os outros cinco foram deixados de lado por opção do próprio treinador. Ele considerou que houve pouca vontade de Dida, Cafu, Lúcio, Zé Roberto e Kaká em brigar pela liberação para o amistoso com o Haiti, em Porto Príncipe, dia 18. Aliás, nessa partida Ronaldinho Gaúcho deixou sua marca três vezes e roubou a cena de Ronaldo, o Fenômeno. Os convocados por Parreira para o jogo com a Bolívia e o amistoso, dia 8, com a Alemanha, treinam amanhã à tarde na Granja Comary, em Teresópolis, região serrana do Rio.

Agencia Estado,

30 Agosto 2004 | 19h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.