Ronaldinho não dribla torcida em Cumbica

Ronaldinho Gaúcho bem que tentou escapar do assédio enquanto aguardava o vôo de conexão para Porto Alegre. Mas foi rapidamente reconhecido e localizado pela garotada que foi ver o desembarque do São Caetano, nesta quarta-feira, em Cumbica. O craque do Barcelona esbanjou simpatia ao parar de jantar para atender os pedidos de autógrafos. Ele aproveitou para falar sobre os jogos contra Argentina e Chile, pelas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2006. "São dois jogos muito difíceis, principalmente pela rivalidade que existe. Mas o importante é que teremos dois dias de descanso e depois teremos tempo para treinar e conseguir duas boas vitórias. O grande problema é que a maioria dos jogadores estão vindo de final de temporada na Europa." O atacante garante não estar interessado em trocar o status de estrela no Barcelona pelo milionário Chelsea, do russo Roman Abramovich. "Qualquer brasileiro gostaria de jogar no futebol inglês, que tem características muito parecidas com o brasileiro por ser muito ofensivo, com uma média de gols alta por partida. Mas no momento eu sei da minha importância para o Barcelona e estou muito feliz jogando lá. Agora, com o final de temporada os jogadores são valorizados e o clube oferece um bônus para segurar o atleta." Além dos desafios defendendo a seleção brasileira, Ronaldinho Gaúcho está pensando também em outra coisa: convencer a diretoria do Barcelona a desembolsar o dinheiro necessário para tirar Luís Fabiano do São Paulo. "Adoraria ter ele como meu companheiro de ataque, ainda mais porque somos muito amigos. Seria maravilhoso. O Luís Fabiano tem muita qualidade para defender o Barcelona", complementou, antes de voltar para a sua mesa e encerrar o jantar a tempo de não perder o vôo para Porto Alegre.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.