Ronaldinho nega fama de 'baladeiro', mas gosta de boates

Jogador brasileiro, do Milan, diz que é hipocrisia de jornalistas falar que atitudes fora de campo atrapalham

EFE,

12 de dezembro de 2008 | 16h30

O meia-atacante brasileiro Ronaldinho Gaúcho, do Milan, afirma que, após os jogos e treinos, gosta de ir para boates, porque "é para isso que elas existem", mas que isso não justifica sua fama de "baladeiro", como ficou marcado em sua passagem pelo Barcelona.Veja também:Adriano e Maicon chegaram bêbados a treino, diz jornalDê seu palpite no Bolão Vip do Limão"Após o trabalho, gosto de me divertir. E as boates existem para isso, ao diabo com os moralistas", afirmou o jogador em declarações publicadas hoje pelo jornal italiano "La Stampa".Ronaldinho Gaúcho insiste em que a fama de baladeiro que lhe é atribuída é "fantasia de certos jornalistas" e que ele, na verdade, é "muito normal".O atacante afirma que, em seus últimos tempos no Barcelona, não teve qualquer problema com o então técnico, o holandês Franck Rijkaard. "Os últimos meses no Barcelona foram um inferno por outro motivo. Estava com problemas em um adutor", afirma Ronaldinho Gaúcho, que completa dizendo que deixou o antigo clube "em boas mãos" com a chegada do técnico Josep Guardiola."Não achava que havia alguém mais acolhedor que os catalães. No entanto, os milanistas são. Foi uma surpresa boa", ressaltou o meia, ao comparar a torcida do clube italiano com a do espanhol. Ronaldinho Gaúcho mostrou ainda sua satisfação com a cada vez mais freqüente presença de goleiros brasileiros no futebol italiano, o que, segundo ele, indica que no Brasil está sendo resolvida a escassez desses jogadores.Sobre a entrega do prêmio "Bola de Ouro" ao português Cristiano Ronaldo, o atacante do Milan diz: "É justo, sim. Mas teria sido justo também se tivesse ganhado o Messi ou o Kaká tivesse voltado a ganhar".Ronaldinho Gaúcho joga neste domingo uma partida decisiva contra a Juventus na luta pelo segundo lugar no Campeonato Italiano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.