Bruno Cantini/Divulgação
Bruno Cantini/Divulgação

Ronaldinho promete 'encurralar' Olimpia em decisão

Meia garante que o Atlético-MG vai pressionar o adversário em busca dos três gols

RAPHAEL RAMOS - Enviado especial, Agência Estado

23 de julho de 2013 | 17h52

BELO HORIZONTE - Depois de uma atuação apagada no primeiro jogo da decisão, Ronaldinho Gaúcho conta com uma postura fortemente ofensiva do Atlético Mineiro nesta quarta-feira para chegar ao seu primeiro título da Copa Libertadores. O meia, que diz ter sorte em finais, garantiu nesta terça que o time brasileiro vai "encurralar" o Olimpia em busca dos três gols que deverá dar ao Atlético o inédito troféu.

"Não vamos ter o menor pudor em atacar. Se eles ficarem se defendendo, vai ser um jogo de ataque contra defesa. Vamos ter de ter atenção com os contra-ataques porque eles têm jogadores de qualidade, mas vamos partir para cima do Olimpia, buscar o gol desde o primeiro minuto e procurar encurralar eles para tentar marcar um gol logo no início e empolgar ainda mais a torcida", afirmou o veterano.

Acostumado a jogar partidas decisivas, Ronaldinho espera contar com a "sorte" para retribuir o carinho da torcida. "Tenho sorte em finais, costumo fazer gols e espero que essa sorte continue", disse o jogador. "Vou ser eternamente grato pelo carinho que recebi da torcida. Ser abraçado por uma nação inteira fez com que eu me sentisse em casa desde a minha chegada e cada vez mais. O torcedor motiva, incentiva e a gente vai fazer de tudo para dar essa alegria para eles."

Ronaldinho também se diz motivado pela chance de conquistar um título inédito em sua vitoriosa carreira, que conta com troféus da Liga dos Campeões e da Copa do Mundo, entre outros. "Já ganhei muita coisa, mas a Libertadores ainda não. Poder entrar na história do clube me deixa muito feliz. Um título como esse é algo que faz a gente ficar marcado no clube e motiva ainda mais".

Em busca do feito, Ronaldinho garante o bom relacionamento com Cuca, mesmo insatisfeito com a substituição no jogo de ida, e prometeu estar concentrado para jogar para o time. "Sempre penso no grupo, quero que seja o dia do time do Atlético e não do Ronaldinho. Mas eu quero ajudar a equipe com um bom passe, uma assistência e entrar para história com esse título", destacou.

Após perder por 2 a 0 no Paraguai, o Atlético precisa vencer a partida da volta por pelo menos dois gols de diferença para levar o duelo para prorrogação e pênaltis. Se vencer com uma vantagem de três gols no placar, assegura o título. A Libertadores não conta com critério de gol qualificado (marcado fora de casa) para desempatar o confronto da final.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.