Ronaldo admite que se sente "ameaçado"

O atacante Ronaldo admitiu nesta segunda-feira que se sente "ameaçado" pelo desempenho de outros colegas da seleção brasileira. Disse que gostaria de ter jogado contra o Paraguai e elogiou a atuação da equipe. Não citou, no entanto, nomes de colegas que poderiam estar tomando seu espaço. Ronaldo esteve em Brasília para se reunir com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e com o ministro da Educação, Tarso Genro. "Minha posição está sempre ameaçada. Tenho de estar sempre trabalhando. Cada um tem de conquistar seu espaço", disse o atacante, que está de férias. Em entrevista, Ronaldo não quis comentar a atuação da dupla Ronaldinho Gaúcho, do Barcelona, e Robinho, do Santos. "Eu gostaria de estar lá. Achei ótimo o jogo", limitou-se a responder. Ele esteve com o presidente e com o ministro para se oferecer para trabalhar em favor das causas sociais do governo Lula. "Esse é um dia especial para mim. É um prazer ser recebido pelo ministro. Me coloquei à disposição para ajudar na área da educação e do esporte, tão fundamentais", declarou o jogador. Ronaldo negou que tenha a intenção de criar uma faculdade de fisioterapia. Informou apenas que já é sócio da Faculdade Estácio de Sá, no Rio de Janeiro. "Por enquanto, não estou pensando nisso. Sou sócio de uma faculdade no Rio de Janeiro", respondeu. O ministro elogiou o fato de Ronaldo ter se disposto a ajudar o governo. "Ronaldo é uma figura extraordinária. Ele exerce uma influência positiva na juventude. Ele está se colocando à disposição. Achamos que isso é importante", disse Tarso Genro, após o encontro, no Ministério da Educação (MEC). Segundo a assessoria do ministro, esse é um primeiro contato e novos encontros com auxiliares de Ronaldo poderão ocorrer para discutir como o atacante poderá ajudar o governo. Na conversa com o presidente, no Palácio do Planalto, Ronaldo ouviu uma brincadeira do presidente a respeito de seu excesso de peso. "Você está bem mais gordo do que eu, Ronaldo", brincou Lula, que está bem acima de seu peso. Depois da brincadeira, Lula começou a falar sério. "Ele (presidente) disse que achava um absurdo ficarem falando que eu estou mais gordo", declarou o atacante.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.