Ronaldo ainda mantém união com empresários

Mesmo com os problemas na Justiça, Alexandre Martins e Reinaldo Pitta continuam sendo os empresários do artilheiro Ronaldo, do Real Madrid. Pitta afirmou não ter nada resolvido quanto a seu futuro com o atacante. Por meio de sua assessoria de imprensa, o "Fenômeno" admitiu que apesar da união continuar, ele contratou o advogado Luis Vicente para assessorá-lo juridicamente. "Não vou falar sobre isso (o rompimento do contrato) porque não tem nada definido. Isso é coisa que estão falando. Então, deixa quem quiser falar", disse asperamente Pitta. "Só vou falar daqui a um tempo. É questão de paciência." Pitta e Martins, que acompanham Ronaldo há doze anos, foram condenados a 11 anos de prisão, pela Justiçca Federal, por envolvimento no escândalo que ficou conhecido como Propinoduto, em outubro do ano passado. Os envolvidos no episódio, fiscais de renda, foram acusados de enviarem mais de US$ 33 milhões para a Suíça. Os empresários de Ronaldo foram condenados porque a Justiça Federal conseguiu provas de que eles ajudaram os fiscais de renda do Estado do Rio a enviar ilegalmente dólares para o exterior. Atualmente, ambos estão soltos beneficiados por uma liminar concedida pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). Por enquanto, o papel de Luis Vicente na vida profissional de Ronaldo tem sido o de resolver seus problemas jurídicos fora do Brasil. Nesse ponto até Pitta concordou com a ajuda: "como poderei sair do País?". O empresário, a exemplo de Martins, está impedido judicialmente de deixar o Rio. No Brasil, além da dupla condenada, o artilheiro ainda recebe o auxílio de Fabiano Farah, que cuida dos licenciamentos da marca "R9". Desde que os problemas judiciais de Pitta e Martins começaram, no início de 2003, a postura de Ronaldo tem sido a de dar total apoio a sua dupla de empresários. Apesar de não gostar de comentar o assunto, sempre que indagado, o atacante reafirma sua confiança e amizade aos dois. Em novembro de 2003, quando esteve concentrado com a seleção brasileira, na Granja Comary, em Teresópolis, para as partidas contra o Peru e Uruguai, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2006, Ronaldo se encontrou no Rio com Pitta e Martins. Na ocasião, ambos discutiram detalhes de como continuaria funcionando a parceria, por causa das limitações dos empresários. "Eles continuam sendo meus empresários e meus amigos", disse, na ocasião, Ronaldo. "Estão lutando para provar sua inocência e vou fazer de tudo para ajudá-los." Apesar da união de Ronaldo e o empresários continuar, a hipótese de separação ainda não foi totalmente descartada. Na próxima vez que o artilheiro retornar ao Brasil, uma nova rodada de negociações ocorrerá.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.