Márcio Fernandes / AE
Márcio Fernandes / AE

Ronaldo conta como Zico o influenciou a treinar para chutar com a perna esquerda

Brasileiro participa de live com Verón e relata que pensou a voltar a jogar pelo Valladolid em 2019, mas ficou na ideia

Redação, Estadão Conteúdo

10 de maio de 2020 | 23h31

O ex-atacante Ronaldo Fenômeno participou de mais uma live neste domingo, desta vez com o argentino Sebastián Verón. Ao longo da conversa, chamou a atenção quando o brasileiro explicou como treinou muito a perna esquerda para também fazer gols com ela, por influência de um ídolo da infância: Zico.

"Quando eu tinha a idade de 10, 11 anos, vi uma entrevista do Zico, grande ídolo do Flamengo e da Seleção. No programa, ele ensinava, chutava contra a parede apenas com a perna esquerda. E por uma, duas horas, com a perna esquerda", relatou Ronaldo.

"Isso ficou na minha cabeça por muito tempo, e por muito tempo eu o copiei e chutei no muro. Eu tinha a canhota cega, não servia nem para subir no ônibus. Durante anos estive fazendo o que vi Zico fazendo na televisão, e isso me ajudou muitíssimo, porque no final, dos quase 500 gols que fiz, quase 200 foram com a canhota. É um número muito alto e por algo que eu busquei", contou o ex-jogador brasileiro.

Ronaldo incluiu na conta os amistosos que disputou durante a carreira - por partidas oficiais, o Fenômeno marcou 414 gols nos sete times que jogou na carreira (Cruzeiro, PSV, Barcelona, Inter de Milão, Real Madrid, Milan e Corinthians) e na seleção brasileira.

Ronaldo reforçou o quanto isso foi importante posteriormente. "Normalmente, o jogador tenta melhorar o que tem de bom, mas poucos buscam melhorar o que tem de mal. Eu tentei e tive muito êxito com isso. Por isso que saíram tantos gols com a canhota", ressaltou.

VOLTA FICOU NA IDEIA

Como a live aconteceu nas páginas do Estudiantes nas redes sociais, clube do qual Verón é presidente (e ídolo), diversos torcedores argentinos pediram que Ronaldo voltasse para jogar na equipe. O Fenômeno relatou que não pensa nisso, mas cogitou em 2019, após comprar o Valladolid, da primeira divisão espanhola.

"Quando comprei o Valladolid, no primeiro ano, fiquei pensando, semanas pensando, Se faço um sacrifício, treino três, quatro meses, posso voltar, jogar algumas partidas, mas não saiu da ideia. A realidade é que sofri demais. Além disso, os garotos são muito rápidos. Não há um jogador lento hoje em dia", comentou Ronaldo.

Ronaldo e Verón nunca chegaram a jogar no mesmo time, mas se enfrentaram algumas vezes por clubes e seleções, com vantagem para o argentino: foram cinco vitórias, um empate e em apenas duas oportunidades a equipe do brasileiro saiu vencedora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.