Ronaldo deve continuar na Inter

A Internazionale pode acabar com um jejum de 13 anos sem conquistar um título italiano, neste domingo. E Ronaldo pode voltar a ter um momento de grande alegria, que, desde 1999, quando conquistou a Copa América com a seleção brasileira, vem sendo raro em sua carreira. Para isso, a Inter, que terá o atacante brasileiro escalado ao lado de Vieri, precisa vencer a Lazio, no Estádio Olímpico de Roma. Se a equipe tropeçar, terá de torcer contra Juventus e Roma, que ainda brigam pelo scudetto. O equilíbrio da competição empolga os italianos e a boa fase de Ronaldo entusiasma os milaneses. Mas o adversário deste domingo traz uma lembrança triste ao brasileiro. Foi justamente contra a Lazio, em abril de 2000, que o atacante sofreu ruptura total do tendão do joelho direito que o afastou dos gramados por 17 meses. ?É só uma coincidência, toda vez que jogo contra a Lazio vão vir com essa história, mas não entro em campo pensando nisso.? É a primeira vez que enfrentará o time romano desde aquele fatídico dia 12. Caso a Inter vença, Ronaldo conquistará um título muito cobiçado e o mais importante de sua carreira vestindo a camisa de um clube. Já ganhou, por exemplo, a Copa da Uefa, que não tem, no entanto, o ?charme? do Italiano. O jogador animou os torcedores e a comissão técnica com boas atuações e já começou a atrair a atenção de outros grandes clubes, como o Real Madrid, da Espanha, que anunciou ter interesse em sua contratação. Segundo Ronaldo, o presidente da Inter, Massimo Moratti, chamou o empresário do atleta, Alexandre Martins, para discutir uma prorrogação e um acerto financeiro no contrato, que termina apenas em 2006. E para tirar os rivais de perto do craque. Somando o salário e os valores de publicidade, Ronaldo recebe US$ 12 milhões por ano. Mas, se computado apenas o salário ? US$ 6 milhões ?, não figura entre os mais bem pagos do mundo. Após a Copa do Mundo, é provável que Moratti lhe ofereça um aumento. Agência Estado ? Acredita que, com uma vitória diante da Lazio, conquistará o título mais importante de sua carreira por um clube? Ronaldo ? Ganhar um campeonato é sempre muito difícil, mas o Italiano tem um sabor especial, principalmente porque a Inter não vence há 13 anos. Esse final de competição está emocionante. Agência Estado ? Já está se sentindo à vontade em campo, como nos anos em que foi eleito o melhor do mundo pela Fifa ou acha que ainda precisa se ?soltar? um pouco mais? Ronaldo ? Eu me sinto normal, não jogo preocupado, deixo a preocupação para vocês. Jogar, para mim, é motivo de alegria e não de preocupação. Agência Estado ? Já fez as pazes com a imprensa italiana, que o criticou por ter vindo ao Brasil para se tratar? Ronaldo ? Eles não aceitaram o fato de eu ter feito tratamento no Brasil. Mas, como na Itália, o Brasil também tem excelentes profissionais e os resultados estão aí para todo mundo ver. Não me preocupo com essas coisas, o que tiver de fazer para jogar vou fazer, agradando ou não à imprensa. Agência Estado ? Seu cotidiano e o relacionamento com o público mudaram depois de voltar a jogar e a fazer gols? Ronaldo ? O relacionamento é sempre o mesmo, porque o torcedor nunca me abandonou. É claro que agora a final está mexendo com todo mundo. O Italiano é como o brasileiro, adora uma gritaria, uma bagunça. Agência Estado ? Como vê o interesse do Real Madrid em sua contratação, gostaria de voltar a jogar na Espanha? Ronaldo ? Recebo essa notícia com muita alegria, todo profissional gosta desse tipo de coisa, mas agora estou pensando mesmo no scudetto e na Copa do Mundo. O Massimo Moratti já conversou com meu procurador para discutir a prorrogação do contrato. Agência Estado ? Acha que, após os últimos amistosos, o Brasil pode ser incluído entre os favoritos ao título da Copa do Mundo? Ronaldo ? Nossa seleção está crescendo, mas tem muito o que melhorar ainda. O Brasil vai ser sempre favorito. Nenhuma seleção do mundo tem tantos jogadores de qualidade como a brasileira. Agência Estado ? Está mais maduro que em 98. Acredita que essa pode ser a ?sua? Copa? Ronaldo ? Não adianta nada eu ser outra vez o melhor da Copa (foi eleito o melhor jogador do Mundial da França) e o Brasil não ganhar. Se vier o resto, será muito bom, mas o importante será ganhar a Copa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.