Ronaldo em débito com sua torcida

Ronaldo é jogador do Real Madrid desde 31 de agosto. Em 95 dias no clube mais badalado do mundo, conviveu com elogios, críticas, alguns gols, pequenas dores musculares e até com uma gripe. Além de mostrar, desde o momento em que se apresentou no Estádio Santiago Bernabéu, que tem extraordinário apelo comercial. O clube vendeu, em tempo recorde, em torno de 200 mil camisas oficiais com o nome do ídolo, sem contar os acordos de patrocínio, os convites para amistosos e bilheterias generosas, seja em casa ou como visitante. Mas hoje Ronaldo foi acima de tudo atleta decisivo, dentro de campo, para garantir a terceira estrelinha mundial interclubes para o Real. O artilheiro da Copa de 2002 teve a melhor atuação pelo time que satisfez seu desejo de sair da Inter de Milão e ganhou, como prêmio, um carro novo oferecido pelos organizadores do duelo Europa-América (Ao receber as chaves, doou o ?troféu? para um hospital infantil de Madri). Ronaldo correu, driblou, deu bons passes, marcou um bonito gol (em jogada que contou com participação impecável de Roberto Carlos e Raúl) e perdeu poucas divididas. No campo em que festejou o quinto título da seleção, em 30 de junho, rejuvenesceu e só saiu aos 37 minutos do segundo tempo porque ainda se ressente dos efeitos da gripe. Mas deixou o campo feliz. "Estou encantado", comentou. "Este estádio me trouxe muita sorte na Copa do Mundo e agora voltou a ter bons fluidos", admitiu, tanto na entrevista coletiva como em sua página na internet. "Depois de passar dois anos contundido, foi importante para mim voltar a ganhar títulos." Ronaldo aproveitou o momento de euforia para cutucar quem fez restrições a seu desempenho anterior e avaliou que estava acima do peso. "Falou-se mal a respeito do Real Madrid, de nosso estilo de jogo, mas aí está a resposta", alertou. "Escutei muitos comentários a respeito de meu peso e condição física", recordou. "Porém, creio que este jogo demonstrou que Ronaldo e Real Madrid estão bem, muito bem", reforçou. "Fiquei fora de jogos importantes, contra o Barcelona e o Milan, mas agora estou melhor." O craque reconheceu, porém, que lhe falta exibição de gala para sua torcida. "A sorte vem com bom desempenho", comparou. "Preciso ter essa atuação em Madri." Promessa que os companheiros dispensam. "Ele é o melhor do mundo e está bem assim", elogiou Figo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.