Ronaldo está com apetite de gols

O peso de Ronaldinho voltou a ser assunto. Na temporada passada, conviveu com comentários da imprensa espanhola de que estava "gordinho". Agora, os comentários são no Brasil, baseados na pouca mobilidade que teve no jogo contra o Peru em Lima. O Fenômeno não gostou das insinuações e das fotos que viu em alguns jornais, mas na entrevista coletiva que deu depois do treino de hoje à tarde no Pinheirão estava sereno. "Meu peso está normal, estou no peso ideal. O próprio Moracy (Sant?anna, preparador físico da Seleção) já disse isso para vocês. O problema é que às vezes a imprensa tenta procurar motivos para justificar uma atuação individual fraca. Não sou assim, não procuro desculpas para quando não jogo bem. Fui mal contra o Peru, reconheço, mas não teve nada a ver com o meu peso." Ronaldinho está muito otimista para "desencantar" amanhã. Ele não marca um gol pela Seleção Brasileira desde a estréia nas Eliminatórias, em setembro. Fez um contra a Colômbia, em Barranquilla, e passou em branco contra o Equador e o Peru e no amistoso contra a Jamaica em Leicester. "Estou muito animado, com muita vontade de jogar e marcar contra o Uruguai. Tenho boas lembranças de jogos contra eles." A primeira boa recordação vem de 1995, quando ele estava começando sua trajetória na Seleção. O Brasil ganhou por 2 a 0 em Salvador e ele fez os gols. A segunda foi na final da Copa América de 99, em Assunção. O Brasil ganhou por 3 a 0 e ele fez o terceiro gol - os dois primeiros foram de Rivaldo. Aquele foi o último gol que fez pela Seleção antes de ter início o calvário das duas cirurgias no joelho direito. Fenômeno ?ameaça? o Uruguai - Se fizer um gol amanhã, ele chegará a 50 com a camisa amarela. Hoje, quando perguntado sobre isso, mostrou bom humor. "É bom vocês pararem de perguntar sobre o gol número 50, porque está dando azar. Mas vamos lá, vamos ver se desta vez sai." O Fenômeno havia prometido marcar pelo menos 12 gols na campanha das Eliminatórias. Ele tem 49 gols pela Seleção e sua meta de é um dia superar a marca de Pelé, autor de 95 gols pelo Brasil. O artilheiro quer marcar também para acabar com as críticas ao seu rendimento nos últimos jogos pela Seleção. E fez uma declaração que é quase uma sentença de morte para o Uruguai. "Quando sou cobrado, rendo mais. Sempre jogo bem quando estou sob pressão." Ele tem a convicção de que fará uma boa partida, mas pede para a torcida e a imprensa não esperarem um show da Seleção. Em sua opinião, é errado criar a expectativa de que o time vai sempre ganhar com facilidade e mostrar um futebol bonito. "O futebol de hoje é complicado, a distância entre as grandes seleções e as outras diminui bastante. Não é fácil ganhar de 4 a 0, 5 a 0. Mas o que o torcedor precisa ter na cabeça é que, se existe uma seleção que merece crédito, é a Seleção Brasileira. Nosso futebol é cinco vezes campeão do mundo e ganhamos o último titulo no ano passado."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.