Ronaldo fala sobre homenagens, aposentadoria e hipotireoidismo

Ex-atacante do Corinthians será homenageado pelo Real Madrid em 3 de abril

Efe

22 de março de 2011 | 00h02

MADRI - O ex-jogador Ronaldo revelou nesta segunda-feira que o Real Madrid fará uma homenagem a ele na partida contra o Sporting Gijón, pelo Campeonato Espanhol.

Em entrevista ao programa O Travessão da rádio espanhola Cadena Ser, o brasileiro falou que o presidente do time merengue o convidou para fazer a homenagem.

"Irei a Madri porque Florentino me chamou para me homenagear. Será na partida contra o Sporting Gijón ", disse.

Quanto à aposentadoria, Ronaldo disse que tomou a decisão de deixar o futebol porque estava "cansado de sofrer".

Ronaldo declarou que desde que anunciou sua aposentadoria, sua vida "mudou em muitas coisas".

"Eu passei a vida jogando futebol, sendo protagonista e agora não vou mais ser. Não vou jogar no domingo, na quarta-feira e sentirei saudades", revelou.

"No ano passado joguei pouco por causa das lesões. Não eram grandes, mas acabei jogando pouco. Jogava com dor. Estava cansado de sofrer. Já não tinha a velocidade de antes, tentava correr e não chegava antes que o adversário", comentou.

Ronaldo afirmou que "foram muitas coisas que o fizeram pensar em deixar o futebol. Foi duro porque passei toda a vida jogando futebol: sofrendo, com derrotas, com vitórias...".

"Vinha me preparando para deixar o futebol. Agora estarei com minha empresa, guiando a carreira dos jogadores. Não quero competir com empresários, que já tem muitos. O que estou fazendo no Brasil é cuidar da imagem do jogador. É um setor grande, que vai gerar muito dinheiro", disse.

Ronaldo também falou de Kaká, que está jogando no Real Madrid e também convive com lesões.

"Ele teve lesões e tentei animá-lo. O Real Madrid quer o Kaká e dá a ele toda a confiança do mundo. É um jogador apaixonado pelo futebol. Fará o possível para voltar em breve", declarou o brasileiro.

O ex-atacante brasileiro também falou sobre o hipotireoidismo e revelou como soube que tinha a doença.

"Descobri quando cheguei a Milão. Mas era muito branda e não tinha necessidade de controlá-la", afirmou.

Ronaldo ainda abordou o tema do excesso de peso e disse que não se alimentava mal.

"Não comia demais. Não gosto de chocolate, nem doces. Felizmente a doença chegou somente no final da minha carreira", finalizou Ronaldo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.