Ronaldo, Kaká e Ronaldinho: que decepção

Havia esperança de show particular do ?trio de ouro?. Só que Ronaldo, Ronaldinho Gaúcho e Kaká não se encontraram em campo, nesta quarta-feira, em Assunção, diante do Paraguai, pelas Eliminatórias. Por mais talento que tenham individualmente, sem entrosamento, foram figuras apáticas. Toda a expectativa acabou frustrada com o 0 a 0. Os três não conseguiram fugir da forte marcação paraguaia. Kaká e Ronaldinho Gaúcho foram muito mais sacrificados. Como era esperado, Parreira não os deixou fixos na frente. Os dois além de ser perseguidos pelos zagueiros tinham de voltar para compor o meio-de-campo quando os paraguaios saíam com a bola dominada. Também ao contrário do prometido pelo treinador, Ronaldinho Gaúcho não jogou tão aberto pela ponta direita. Várias vezes esteve embolado com Kaká. Só facilitavam o trabalho dos zagueiros. Fixo na frente, Ronaldo raríssimas vezes conseguiu tabelar com os talentosos companheiros. Ele foi o que mais se ressentiu com as apagadas atuações de Kaká e Ronaldinho Gaúcho. Irritado, o atacante do Real Madrid várias vezes tentou decidir a partida sozinho. Mas não estava inspirado. Pelo contrário, não conseguiu aplicar os seus tradicionais dribles. E os escassos chutes que deu a gol não ofereceram perigo a Tavarelli.Ronaldinho Gaúcho também foi contaminado pela falta de inspiração. Nem mesmo nas bolas paradas. Bateu longe uma falta na entrada da área no primeiro tempo. Nas outras cobranças, foi o egoísmo de Roberto Carlos que trabalhou contra. Kaká foi obediente demais taticamente. O jogador do Milan guardou muito a posição na intermediária. Não foi o sonhado terceiro atacante que todos sonhavam porque atuou longe da área. A falta de entrosamento e a estratégia confusa de Carlos Alberto Parreira matou o trio que todo país gostaria de ter e o Brasil desperdiçou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.