Clayton de Souza/AE
Clayton de Souza/AE

Ronaldo leva vaia na apresentação do novo patrocinador

Funcionários da Batavo queriam ter recebido mais atenção do Fenômeno na sede da empresa nesta sexta

Fábio Hecico, Agencia Estado

20 de março de 2009 | 20h51

SÃO PAULO - Ronaldo chegou ao Corinthians dizendo-se preparado para tudo, até mesmo para receber vaias. Só não esperava que elas viessem fora dos campos. Na tarde desta sexta-feira, o atacante, ao lado dos companheiros André Santos e Dentinho, foi convidado para ser garoto propaganda na apresentação do novo patrocínio corintiano.

Veja também:

linkRonaldo e Dentinho no ataque do Corinthians contra o Santos

tabela Campeonato Paulista - Tabela e resultados

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

Na sede da Batavo, ele apenas mostrou a camisa do clube e foi embora rapidamente, sem dar atenção aos funcionários da empresa, levando um tremendo "uh" ao deixar o local.

Justamente no dia em que a diretoria corintiana prometia uma grande festa para anunciar acordo de patrocínio de R$ 18 milhões - "o maior do Brasil", repetiu seguidamente o presidente do clube, presidente Andrés Sanchez -, a saia-justa envolvendo Ronaldo quase estragou o evento.

A Batavo estava tão orgulhosa em voltar a patrocinar o Corinthians, de quem já foi parceira em 1999 e 2000, que fez questão de realizar o lançamento do acordo em sua sede, no Jaguaré, em São Paulo. Os funcionários da empresa ganharam "uma hora de folga" para fazer uma foto, todos perfilados, com os jogadores corintianos. Mas acabaram frustrados.

Os jogadores presentes ao evento deixaram rapidamente o local, pois tinham treino na tarde desta sexta-feira. E Ronaldo, astro maior da companhia corintiana, chegou a ser acusado de estrela. "Ele nem olhou para a gente", reclamou uma funcionária da Batavo, que gostaria de um autógrafo do Fenômeno.

Ronaldo ainda causou mal-estar ao não colocar a nova camisa do Corinthians, já com a marca da Batavo no peito e nas costas. "Vou vesti-la no domingo", afirmou o atacante, recusando o pedido dos fotógrafos. Depois, ele virou-se para os companheiros e ordenou: "Vamos trabalhar".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.