Arquivo/AE
Arquivo/AE

Ronaldo pede permanência de Mano Menezes na seleção brasileira

'Acho que qualquer mudança neste momento seria equivocada, porque não há tempo para se adaptar', diz o Fenômeno

VÍTOR MARQUES, Agência Estado

21 de setembro de 2012 | 17h13

Mano Menezes ganhou nesta sexta-feira um importante aliado em sua permanência no comando da seleção brasileira. O ex-jogador Ronaldo saiu em defesa do treinador e afirmou que seria um erro a CBF trocar o comando técnico a apenas dois anos da Copa de 2014, apesar de parte da torcida brasileira pedir a volta de Felipão.

"Acho que qualquer mudança neste momento seria equivocada, porque não há tempo para se adaptar, acredito que uma mudança seria difícil para o time", disse o Fenômeno, que participou de um torneio beneficente de golfe em Indaiatuba (SP).

Mano Menezes é criticado por parte da torcida brasileira mesmo depois de o Brasil ter vencido os últimos três jogos no País. No último deles, na vitória contra a Argentina por 2 a 1 em Goiânia, a torcida gritou o nome de Felipão, e os protestos só cessaram graças a um gol de Neymar no último minuto.

"Sei que é uma reação da torcida, e ela é bem exigente. Jogar no Brasil não é fácil com essa pressão toda. Mas confio no trabalho do Mano. Eu o conheço bem, trabalhei com ele no Corinthians. Virá muita coisa boa ainda."

Ronaldo disse ainda que a seleção está no caminho certo, mesmo sem jogar um futebol encantador. Ele também defendeu a geração de Neymar e afirmou que o time vai amadurecer aos poucos. "São jogadores jovens, que têm de conquistar títulos. Minha geração acabou, fizemos o que tinha de ser feito. Agora são eles que têm de correr atrás."

O ex-jogador afirmou também que a seleção está bem servida de centroavantes, sua posição, e vê como bons sucessores os jogadores que estão sendo convocados por Mano. "O Leandro Damião tem jogado e na Olimpíada ele teve uma atuação boa. Agora o Luis Fabiano voltou num jogo duro, difícil (contra Argentina). Do Pato a gente espera muito, mas ele continua se machucando demais."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.