Ronaldo pode virar herói dos quadrinhos

Ronaldo está próximo de se tornar um herói das histórias de revistas em quadrinhos. A parceria com o desenhista Maurício de Sousa, criador da Turma da Mônica, deve ser concretizada em três meses e a intenção é a de aproveitar o carisma do atacante do Real Madrid e da seleção brasileira com o público infantil. O personagem "Ronaldinho" seguiria o exemplo do que já ocorreu com outras estrelas do esporte como Pelé, que gerou o "Pelezinho", e Ayrton Senna, de onde foi criado o "Senninha".A idéia de formular uma revista tendo Ronaldo como personagem principal surgiu na época da Copa do Mundo da Coréia e Japão, em 2002, quando o jogador apareceu com um novo corte de cabelo, apelidado de "Cascão" por sua aparência com um dos personagens criados por Maurício de Sousa.Em setembro de 2002, durante a gravação de um comercial, Ronaldo se encontrou pela primeira vez com Maurício de Souza, que lhe apresentou uma proposta concreta para "transformá-lo" em personagem de história em quadrinhos.A empresa Maurício de Sousa Produções Ltda. (MSP) é a responsável por 70% do mercado infantil de histórias em quadrinhos, com cerca de dois milhões de exemplares publicados mensalmente, divididos por aproximadamente 20 títulos. Os carros-chefes são as revistas da Mônica, Cebolinha, Chico Bento, Cascão e Magali.Procurada pela Agência Estado, a MSP não quis comentar a transação. Alegou que o contrato ainda não foi finalizado, assim como a criação do personagem Ronaldo e seu perfil psicológico faltam ser concluídos. No final da década de 80, a empresa chegou a elaborar projeto semelhante para lançar no mercado argentino, inspirado no craque Diego Maradona, o "Dieguito", que não saiu do papel.Na ocasião, a conturbada agenda de Maradona impediu que a revista fosse concluída, apesar de o personagem e sua turma de 11 amigos terem sido desenhados. Por isso, a MSP mantém cautela com relação ao projeto envolvendo Ronaldo.

Agencia Estado,

08 de março de 2004 | 18h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.