José Patrício/AE
José Patrício/AE

Ronaldo revela receio com obsessão pela Libertadores

'Só o fato de jogar no Corinthians, e no ano do centenário, já é uma pressão', disse o atacante

AE, Agência Estado

08 de abril de 2010 | 20h56

Um dia após o Corinthians ser eliminado do Campeonato Paulista, Ronaldo alertou sobre os perigos da obsessão pela Copa Libertadores. Para o atacante, os jogadores já estão pressionados no ano do centenário. E todo esse entusiasmo em torno do torneio sul-americano, em sua opinião, pode piorar o cenário e afetar o desempenho dos jogadores.

"Só o fato de jogar no Corinthians, e no ano do centenário, já é uma pressão. Não é preciso acrescentar outro tipo de pressão", avaliou Ronaldo nesta quinta-feira, em entrevista coletiva.

O atacante, por outro lado, procurou minimizar a eliminação no Campeonato Paulista. "Claro que a eliminação nos deixou chateados, mas estamos muito bem na Libertadores. Podemos ficar com a melhor campanha da primeira fase". Ele também elogiou o comportamento da torcida. "A reação deles tem sido incrível".

Sobre as supostas desavenças com Mano Menezes nas últimas semanas, Ronaldo negou veementemente qualquer problema com o treinador. "Não tem essa história. Vi essa polêmica da minha relação com o Mano, e a única coisa que mencionam é que não gosto de concentração. Nunca houve briga entre nós."

Bem-humorado, o atacante ainda brincou com o seu suposto excesso de peso e disse que não merece ser convocado para a seleção brasileira. "Meu peso? Eu não sei. Essa história me deixa um pouco traumatizado, não gosto de subir na balança", afirmou rindo, antes de admitir que não merece disputar a Copa do Mundo da África do Sul. "Pelo que joguei esse ano, não mereço uma convocação."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.