Ronaldo, Zidane e ONU contra a pobreza

Ronaldo, Zidane e a ONU organizam, em dezembro, uma partida beneficiente para arrecadar recursos para lutar contra a pobreza no mundo. O anúncio foi feito nesta quinta-feira, em Genebra, e assessores das Nações Unidas revelaram à Agência Estado que atletas como Zé Roberto, Emerson, Edmílson e Roberto Carlos vão ser convocados para o jogo. A ONU deu carta branca para que o atacante Ronaldo e o meia Zidane, ambos do Real Madrid e embaixadores das Nações Unidas, escolhessem cerca de 40 amigos para compor as duas equipes que entrarão em campo no dia 15 de dezembro, na Basiléia, Suíça. David Beckham, Figo, Michael Ballack e Thierry Henry já confirmaram presença no evento. Michael Schumacher, hexacampeão na Fórmula 1, também vai participar. A grande ausência será a de Kaká, considerado pela ONU como um novo nome que poderá ser usado em futuras campanhas de combate à pobreza. O atacante brasileiro estará com o Milan no Japão para disputar a final da Copa Intercontinental. O ?Encontro do Futebol contra a Pobreza", como está sendo chamado, tem o apoio da Fifa e ocorrerá após a entrega do prêmio pela entidade do melhor jogador de 2003. ?Este jogo contra a pobreza é ainda mais digno de nota porque o desejo de organizar veio de dois dos mais importantes jogadores do mundo?, afirmou o presidente da Fifa, Joseph Blatter, que agradeceu os atletas pela iniciativa. Ronaldo afirmou, por meio de um comunicado, que se sente emocionado em ver seus amigos se juntarem para ?sensibilizar e tomar uma posição contra a pobreza, que aflige um quinto da população mundial?. Segundo o atacante, os que assistirem à partida entenderão que os atletas estão ?ajudando a devolver a esperança às pessoas que fazem todos os esforços para se libertar da pobreza?. Somente em ingressos a ONU espera arrecadar US$ 580 mil, que irão para projetos sociais na África, América Latina e Ásia. Mas o maior volume de dinheiro virá das transmissões de TV. Adidas e Nike já concordaram em oferecer os uniformes da partida, que sera apitada pelo italiano Pierluigi Collina.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.