Peter Cziborra / Reuters
Peter Cziborra / Reuters

Rooney diz que jogadores foram tratados como 'cobaias' na crise do coronavírus

Jogador critica atitudes da federação e da liga de clubes ingleses, além do governo britânico

AFP, O Estado de S.Paulo

16 de março de 2020 | 04h30

O ex-craque do Manchester United, Wayne Rooney, afirmou neste domingo que o governo britânico e as autoridades inglesas tratam jogadores como "cobaias" desde o início da crise da pandemia de coronavírus. "Para os jogadores, as comissões técnicas e suas famílias, esta semana foi preocupante, notamos uma falta de liderança do governo, da federação e do Campeonato Inglês", escreveu Rooney em coluna publicada pelo jornal Sunday Times.

"Após a reunião de emergência, a boa decisão foi finalmente tomada. Até agora, tínhamos a impressão de que jogadores ingleses eram tratados como cobaias", acrescentou.

O Campeonato Inglês foi suspenso na sexta-feira até o dia 3 de abril, no mesmo dia em que os campeonatos francês e alemão também foram suspensos, além dos jogos da Liga dos Campeões e da Liga Europa. A Itália foi a primeira a tomar a decisão, seguida pela Espanha.

Horas antes, o técnico do Arsenal, Mikel Arteta, testou positivo para o coronavírus, assim como o atacante do Chelsea, Callum Hudson-Odoi, provocando a suspensão. Rooney, que atualmente joga no Derby County da segunda divisão, acredita que as autoridades deveriam ter reagido mais cedo, acrescentando que ele "nunca" as perdoará se sua família adoecer.

"Por que tivemos que esperar até sexta-feira? Por que Mikel Arteta teve que ficar doente para as autoridades inglesas tomarem a decisão certa?", perguntou o ex-capitão da seleção inglesa. Inúmeros jogos da categoria secundária foram disputados normalmente neste fim de semana na Inglaterra e Rooney acha que o primeiro-ministro Boris Johnson 'evitou' a questão, deixando o futebol inglês tomar a decisão de continuar ou não disputando jogos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.