Rooney volta e diz que queria ter jogado mais com a Suécia

Wayne Rooney está de volta. E ansioso para continuar jogando pela Inglaterra. Em avaliação realizada nesta quarta-feira sobre o empate por 2 a 2 diante da Suécia, o jovem atacante elogiou a atuação da equipe e gostou de seu desempenho. "É bom voltar a jogar desde o início. Acho que jogamos bem no primeiro tempo, mas caímos bastante no segundo. Mas estamos contentes por termos vencido a chave".Nesta terça-feira, na partida contra a Suécia, Rooney começou jogando pela primeira vez desde que fraturou o pé direito, no dia 29 de abril. Ele jogou 69 minutos e mostrou irritação quando deixou o gramado. "Minha condição física nunca foi problema. Achei que poderia ter jogado mais tempo. Mas o fato de não ter marcado um gol não é importante. Isso vai acontecer".Ao ser substituído, Rooney chutou uma garrafa de água, golpeou o teto do banco e atirou suas chuteiras no chão. Mas o técnico da equipe, o sueco Sven-Goran Eriksson, tratou de minimizar o episódio. "Perguntei a ele o porquê daquele comportamento e ele me disse que estava decepcionado consigo mesmo, porque achava que poderia ter jogado melhor no segundo tempo. Não houve problema algum. Ele poderia ter jogado mais, mas eu não quis correr riscos".Rooney demonstrou, também, preocupação com a perda de Michael Owen no início da partida, em virtude de uma lesão no joelho. Não está descartada a possibilidade de que o atacante não mais venha a jogar neste mundial. "Perder o Michael foi realmente um choque para todos. Ele é um jogador muito importante e sabemos que marca muitos gols. Espero que tudo saia bem nos exames e que ele possa voltar em breve".A recuperação de Rooney é crucial para a Inglaterra, porque se Owen tiver de ser cortado da delegação, a equipe contará apenas com três atacantes: o próprio Rooney, Peter Crouch e o jovem Theo Walcott, de apenas 17 anos, e que tem apenas 25 minutos de experiência em jogos internacionais.A Inglaterra vai enfrentar o Equador pelas oitavas-de-final no próximo domingo, em Stuttgart.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.