Roque Jr repreende Galvão Bueno

O treino da Seleção Brasileira estava no finalzinho. Alguns jogadores, deitados no gramado, faziam trabalho de alongamento. De repente, Roque Júnior atravessou o gramado, foi até a beira do campo, local reservado à imprensa, e, dedo em riste, cobrou respeito ao narrador Galvão Bueno, da TV Globo. A cena não foi além de um minuto, mas acendeu fogo nos bastidores da Seleção, nesta segunda-feira, em Frankfurt."Quero respeito pela carreira profissional e pelo lado pessoal. Não aceito perseguição", disse, revoltado, Roque Júnior ao jornalista.Galvão, que fumava uma cigarrilha, surpreendido com a atitude do zagueiro, respondeu; "Deixa de bobagem Roque, você é um campeão do mundo. Todas as vezes que te elogio, você não vem conversar comigo." Três horas depois do incidente, Galvão Bueno disse que não houve problema nenhum, que estava em paz. Ele gravava o programa "Bem Amigos", da Sportv, no terraço do Hotel Intercontinental, que, por ironia, teria Roque Júnior entre os convidados.O zagueiro tomou a iniciativa de cobrar do narrador depois de receber notícias do Brasil da transmissão da vitória (3 a 2) da Seleção contra a Alemanha, sábado, em Nuremberg. Pessoas próximas a Roque Júnior, indignadas com os comentários de Galvão Bueno sobre a atuação de Roque Júnior, ligaram à TV Globo no intervalo do jogo cobrando imparcialidade do narrador.Antes mesmo do incidente no treino, havia certo desconforto entre os jogadores do Brasil com as últimas críticas. Foram feitas pequenas reuniões entre eles e assessoria da imprensa da Seleção para amenizar o problema, que acabou estourando no treino desta segunda.Carlos Alberto Parreira, questionado sobre as críticas a Roque Júnior, disse apenas que o zagueiro tem personalidade. "Convivo com o Roque há quase quatro anos na Seleção. É um jogador de muita personalidade, inteligente, nunca tive problemas com ele. Assim como eu, está sujeito às críticas e tem de saber lidar com esta situação." Os quatro últimos treinadores da Seleção sempre apostaram em Roque Júnior. Ele foi titular com Vanderlei Luxemburgo (1998 a 2000), Emerson Leão (2000 a 2001), Luis Felipe Scolari (2001 a 2002) e com Parreira, a partir de 2003.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.