Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Rosario espera pelo ?amigo? São Paulo

Os torcedores do Rosario Central adoram o São Paulo, seu adversário de quinta-feira pelas oitavas-de-final da Libertadores. Alguns ainda usam camisas tricolores que compraram em 1992 e 1993, quando a equipe brasileira venceu o Newell?s Old Boys, o outro time da cidade, na Libertadores. O ódio entre as duas torcidas é tão grande que os torcedores do Rosario chamam os adversários de leprosos e são chamados de canalhas.Todos dizem que Telê e Raí deram muitas alegrias ao Rosario na década passada e que, por isso, o São Paulo será muito bem recebido na quinta-feira. A amabilidade não deve se sustentar além da ironia. A torcida do Rosario Central é fanática e incentiva seu time desde o início do jogo até o final. Transforma o "Gigante de Arroyito", seu estádio, em um verdadeiro caldeirão. O estádio, que foi construído para o Mundial de 1978, tem capacidade para 41.654 pagantes.A força da torcida é responsável por muito do sucesso que o Rosario alcança em casa. Desde 1973, o time disputou 40 partidas internacionais contra equipes da América do Sul e está invicto. Ganhou 30 jogos e empatou dez. Nem sempre é assim. Na sexta-feira, o time perdeu para o River por 2 a 1, em casa, e está em 18º lugar no campeonato argentino.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.