Denilton Dias/Vipcomm
Denilton Dias/Vipcomm

Roth admite que derrota do Cruzeiro para o Coritiba foi 'vergonhosa'

'Não tem como explicar uma derrota dessas, da maneira que foi', disse o técnico após goleada

AE, Agência Estado

20 de agosto de 2012 | 09h21

CURITIBA - A goleada por 4 a 0 sofrida diante do Coritiba, no último domingo, no Estádio Couto Pereira, deixou o técnico Celso Roth muito chateado com a sua equipe. Ele não poupou críticas ao time, que com o resultado amargado na capital paranaense ficou estacionado nos 27 pontos, agora na oitava posição do Campeonato Brasileiro.

"Realmente nós fomos muito mal. Não tem como explicar uma derrota dessas, da maneira que foi. Chega a ser realmente vergonhoso, a gente vir aqui, e, nesse momento, estamos mesmo ressuscitando times, não é? A Ponte Preta só ganhou da gente, no Independência. O Coritiba fez 4 a 0, com superioridade, e nós não tivemos reação alguma. A não ser os primeiros 16 ou 17 minutos, antes do gol. Tomamos o gol e (o time se) desequilibrou completamente, uma insegurança muito grande por parte dos jogadores", reclamou.

Em seguida, o comandante reconheceu que o grande número de desfalques da equipe acabou pesando para o Cruzeiro, que não pôde contar com o zagueiro Victorino, o volante William Magrão, o meia Montillo e o atacante Borges, todos lesionados, além do zagueiro Léo e dos volantes Charles e Everton, que cumpriram suspensão. Entretanto, as baixas não servem para justificar a derrota por 4 a 0, na opinião do treinador.

"Realmente é vergonhoso, a gente está se sentindo assim. Não tem como explicar para o torcedor. O time jogou mal e não reagiu, isso é o pior de tudo. Não reagiu e nem esboçou nenhum tipo de reação durante o jogo. É durante o jogo que a gente tem que fazer as coisas, não é depois. Temos que repensar algumas coisas. Colocamos alguns jogadores que não estavam jogando, e infelizmente não foram bem. Vamos nos arrumar para esta semana, e ainda bem que temos esta semana, para o clássico no outro final de semana", completou Roth.

Goleado pelo Coritiba, o Cruzeiro voltará a campo no próximo domingo, quando fechará o seu primeiro turno do Brasileirão diante do arquirrival Atlético-MG, às 18h30, no Estádio Independência, em Belo Horizonte. E Roth cobrará um desempenho ao menos parecido com o exibido no empate por 1 a 1 com o Fluminense, na última quarta-feira, em Belo Horizonte, pela 17.ª rodada da competição.

"A apresentação contra o Fluminense foi em um nível altíssimo. Já essa de hoje (domingo) foi abaixo da crítica. Como chegar em um clássico desses (contra o Atlético-MG)? Temos, primeiro, que nos arrumar e ver onde estamos errando. Claro, muitos jogadores não vieram para cá, mas não pode... Um jogador que está em um clube como o Cruzeiro não pode ter uma atuação dessas. Isso influencia todo mundo. Vamos trabalhar, vamos estudar o adversário e ver o que podemos fazer. Claro, alguns jogadores retornam. Vamos montar a equipe e buscar o melhor no final de semana, que é a vitória, respeitando o adversário", finalizou.

 

CORITIBA 4 X 0 CRUZEIRO

 

CORITIBA - Vanderlei; Ayrton, Lucas Claro, Escudero e Lucas Mendes (Dirceu); Júnior Urso, Chico, Robinho (Gil) e Everton Ribeiro; Rafinha e Roberto (Anderson Aquino). Técnico: Marcelo Oliveira.

 

CRUZEIRO - Fábio; Ceará, Thiago Carvalho, Rafael Donato e Diego Renan (Wallyson); Sandro Silva, Lucas Silva (Tinga), Marcelo Oliveira e Souza; Fabinho e Wellington Paulista (Anselmo Ramon). Técnico: Celso Roth.

 

GOLS - Lucas Mendes, aos 19, e Ayrton, aos 38 minutos do primeiro tempo. Roberto, aos 3 e Anderson Aquino, aos 33 minutos do segundo tempo.

 

ÁRBITRO - Francisco Carlos Nascimento (Fifa-AL).

CARTÕES AMARELOS - Lucas Silva, Wellington Paulista e Rafael Donato.

RENDA - R$ 154.669,00.

PÚBLICO - 11.739 pagantes.

ESTÁDIO - Estádio Couto Pereira, em Curitiba (PR).

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasileirãoCruzeiroCelso Roth

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.