Roth corre para juntar os "cacos"

De terno e gravata bege, camisa branca e sapatos marrons, o gaúcho Celso Roth subiu no avião em Porto Alegre por volta de 12h30 desta segunda-feira. Às 15h40, em São Paulo, foi apresentado aos jornalistas na Academia de Futebol e correu para o vestiário. Depois de uma conversa de 40 minutos com os jogadores, já estava no campo, apito na mão, comandando o primeiro treino coletivo. O novo técnico do Palmeiras tem pressa em juntar os cacos. Na próxima quinta-feira, o time estréia na Libertadores da América contra o Universidad de Chile, no Parque Antártica, com a obrigação de vencer.Roth mandou seu recado aos palmeirenses: "É importante a torcida ter consciência que o time não vai dar espetáculo. Quero agrupar a equipe e ganhar os três pontos. Essa é uma situação de emergência." Ele não adiantou o time que pretende escalar, mas deixou claro que não abre mão de no mínimo dois volantes de marcação. É possível que Fernando, Galeano e Magrão sejam escalados para a partida de quinta-feira.O tempo, palavra-chave na atual fase do clube, joga contra Roth, 43 anos, técnico que fez carreira no Sul, dirigindo Grêmio e Internacional e que ganhou fama de exigente e disciplinador. Ele sabe que a vitória na quinta-feira é fundamental, uma vez que, no domingo, o adversário será o São Paulo. "O futebol me ensinou que a prioridade em um grande clube é sempre o próximo jogo", disse o treinador.Para o Palmeiras, nesta terça-feira se encerra o prazo de inscrição de jogadores para a primeira fase da Libertadores. Até o final da tarde de hoje, ainda não havia acerto com o lateral-direito Arce, reforço pedido por Roth. Há expectativa de mais uma reunião na noite desta segunda-feira entre representantes do Palmeiras e do jogador.O lateral-esquerdo Felipe, ex-Vasco, não se apresentou. "Ele está resolvendo alguns problemas no Rio", justificou o diretor de futebol do Palmeiras, Américo Faria.O zagueiro Alexandre Souza, 24 anos, ex-Atlético Mineiro e Cruzeiro e que veio por empréstimo do Vitória de Guimarães (Portugal), fez seu primeiro treino nesta segunda-feira, na Academia. Ele foi a última indicação de Marco Aurélio. Alexandre ficou impressionado com a preleção de Roth. "Ele expôs tudo o que quer, fala duro, olhando no olho. É estilo Felipão. Se quiser jogar com ele, tem de trabalhar."O novo treinador está trabalhando com parte da comissão técnica de seu antecessor. O preparador de goleiros, Carlos Pracidelli, e o preparador físico, Carlos Pacheco, foram mantidos. Preocupado em consolidar seu nome no futebol paulista, Roth aceitou a situação. "Isso deveria ser rotina nos clubes, que vivem em dificuldades financeiras e não podem trocar funcionários de determinadas funções toda hora", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.