Roth culpa árbitro por tumulto em clássico mineiro

Treinador do Cruzeiro ficou bastante irritado após empate com o Atlético-MG

AE, Agência Estado

27 de agosto de 2012 | 09h50

BELO HORIZONTE - O técnico Celso Roth culpou o árbitro Nielson Nogueira Dias pelo tumulto que paralisou o clássico entre

"Eu estou dizendo aqui, categoricamente: o ocorrido no segundo tempo foi por causa do critério infeliz da arbitragem, no primeiro tempo, e na sequência do jogo. Essas coisas acontecem e, depois, quem vai pagar é o Cruzeiro, que vai sair de casa de novo. O torcedor estava errado quando teve aquela atitude, porque isso não se faz. Mas, infelizmente, a arbitragem deixou muito a desejar", disse.

Roth, porém, ficou satisfeito com o desempenho do Cruzeiro no empate com o Atlético-MG. O treinador lembrou que o time enfrentou o líder do Campeonato Brasileiro e fez um duelo equilibrado, apesar de ter atuado com alguns desfalques.

"É bom a gente dizer também, principalmente para o torcedor do Cruzeiro, que o Atlético-MG está num momento mágico e que nenhum jogador do Atlético-MG estava fora do jogo de hoje. E nós estávamos com cinco jogadores fora. E ninguém falou isso. Então estou aqui lembrando isso. Acho que nós igualamos. Hoje nós mostramos que é possível nós jogarmos de acordo com o campo do Independência. Esse campo é traiçoeiro", afirmou.

Assim, Roth espera que o Cruzeiro consiga repetir o desempenho do clássico no segundo turno do Campeonato Brasileiro, quando deseja que o time seja mais regular. "O que a gente tem que fazer é manter o equilíbrio, ter essa retomada, mesmo que a gente não consiga repetir time. Mesmo assim, vamos ver se conseguimos iniciar o segundo turno mais equilibrados", comentou.

O empate com o Atlético-MG deixou o Cruzeiro com 28 pontos e em oitavo lugar no Campeonato Brasileiro. O time volta a jogar na próxima quarta-feira, no Estádio Serra Dourada, contra o Atlético Goianiense, às 22 horas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.