Roth diz que não "joga a toalha"

Depois de ficar aproximadamente 45 minutos trancado no vestiário com o diretor de Futebol Sebastião Lapola, após o empate que eliminou o Palmeiras da Mercosul, o técnico Celso Roth apareceu para dar a entrevista coletiva e para garantir que fica no time. "Não pensei em momento algum em jogar a toalha, porque estamos na frente no Campeonato Brasileiro e temos boas perspectivas", limitou-se a dizer, bastante abatido. O treinador afirmou, novamente, estar preparado para suportar a pressão e seguir trabalhando no clube. Os dirigentes continuam declarando apoio a Roth, apesar das fortes pressões dos conselheiros para que ele seja demitido. Segundo o técnico palmeirense, o time teve várias oportunidades de gol, mas não foi feliz nas conclusões das jogadas.Lopes e Tuta preferiram fugir da imprensa. "As críticas a eles ocorrem dentro da normalidade. Não basta aos dois ter qualidade técnica, mas é preciso também ter qualidade física e emocional", comentou Roth.O goleiro Marcos, um dos melhores do time, prevê duas semanas difíceis pela frente. A equipe só volta a jogar uma partida oficial no dia 28, contra o Internacional. No domingo, os reservas participarão de um jogo amistoso contra o Pouso Alegre.

Agencia Estado,

16 de outubro de 2001 | 19h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.