Roth está isolado no Palmeiras

O técnico Celso Roth resolveu apostar em suas convicções e, por causa disso, a cada dia isola-se mais no Palmeiras. O jogo de quarta-feira contra o São Caetano, pela Libertadores da América, será decisivo para sua permanência no clube, no qual trabalha há 70 dias. Conselheiros já falam nos nomes de Oswaldo de Oliveira e Nelsinho Baptista. Ao contrário do que pede a torcida - que hoje não apareceu para protestar, mas continua insatisfeita com o rendimento do time -, Roth deverá repetir a mesma formação que perdeu o jogo de quarta-feira passada, com Tupã no ataque, ao lado de Fábio Júnior. Hoje Basílio substituiu Tupã na segunda parte do treino. Juninho, Tuta e Muñoz permanecerão na reserva. O coletivo de hoje não foi muito animador. Os titulares sofreram dois gols dos reservas com menos de 20 minutos de treino. Perderam por 3 a 1. Roth treinou jogadas de bola parada, com Alex e Arce, e pediu para os atacantes marcarem a saída de bola dos reservas. O Palmeiras precisa vencer o São Caetano por pelo menos dois gols de diferença, no Palestra Itália, para continuar na Libertadores.Tuta e Juninho assistem às reclamações da torcida com ar de quem tem o tempo ao seu lado. "Acho que minha hora está chegando", afirma Tuta, sorridente após ter sido elogiado por integrantes da Mancha Alviverde. Ele mudou de estratégia e já não reclama da reserva. "Estou vivendo um momento de alegria, provando ter qualidades. Sinto que tenho energia. O problema da torcida é mais com o treinador." Juninho, normalmente tímido, começa a soltar suas críticas pelo fato de ficar na reserva. "Na hora do filé não estou jogando. E não sou só eu. Há outros na mesma situação", afirma. O jogador refere-se ao fato de ter sido o principal jogador do time na Copa dos Campeões, ano passado. O Palmeiras só está na disputa da Libertadores porque ganhou essa competição.Nelsinho e Oliveira - Durante o final de semana, nas alamedas do clube, conselheiros tanto da situação como da oposição uniram-se nas críticas ao treinador. Os nomes de Oswaldo de Oliveira e de Nelsinho Baptista eram citados. "O Roth está muito queimado. A pressão é grande e, se não vencer bem o São Caetano, será difícil agüentar", disse um conselheiro experiente nos assuntos relacionados ao futebol.O treinador tem contrato com o Palmeiras até março de 2002 e foi contratado por ter um perfil disciplinador, ao estilo de Luiz Felipe Scolari. Por ironia, caso o time se classifique, deverá enfrentar o Cruzeiro, de Felipão. Mesmo diante de tanta pressão, Celso Roth procura manter-se impassível. "Esse tipo de situação é normal no futebol brasileiro. O técnico tem de ter base, experiência e equilíbrio para assimilar as pressões. Quando ganhamos sete jogos seguidos ninguém falou nada. Perdemos um jogo e criou-se tudo isso." O treinador deixou aberta a possibilidade de aproveitar Juninho e Tuta durante o jogo. "O Tuta vem trabalhando bem e está esperando sua oportunidade para agarrá-la. Juninho também vem trabalhando bem." Para evitar mais problemas, Roth afastou o zagueiro Gilmar e o lateral-esquerdo Rubens, cortados do grupo que disputam a Libertadores. Os dois estão treinando em horários diferentes. Eles criticaram Roth quando foram escolhidos para dar lugar a Arce e Argel.Gilmar poderá acertar contrato com a Portuguesa. "Foi o Celso quem pediu que eles treinassem em horários diferentes. É difícil para os jogadores treinarem com o grupo sabendo que não estarão nem entre os reservas", justificou o coordenador de futebol do clube, Márcio Araújo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.