Roth não divulga escalação do Santos

A Vila Belmiro foi liberada para 20 mil torcedores no clássico desta quarta-feira, às 21h40, entre Santos e Corinthians. E os jogadores santistas querem aproveitar a vantagem de jogar perto da torcida, mesmo sabendo que a cobrança sempre é muito grande, principalmente quando se trata de um confronto com o maior rival. O time ainda não está definido por Celso Roth, que fez mistério nesta terça-feira e deixou uma dúvida no ar: Oséas fará sua estréia? "Logicamente, vocês saberão nesta quarta-feira." Celso Roth sabe que enfrentará um jogo nervoso. "Esse clássico sempre determina reações positivas ou negativas, seja ele na Vila ou em outro campo", disse ele, na expectativa de que haja compreensão pelo momento de reformulação que o time vem passando e por ser ainda início de temporada. Para complicar a vida do treinador e dos jogadores, a equipe não convenceu na última vez que jogou na Vila Belmiro, quando venceu com muita dificuldade o fraco América-RJ: foram necessários 85 minutos de jogo para marcar o primeiro gol, o que acabou de vez com a força dos cariocas, que perderam por 3 a 0. Em Campinas, ocorreu o contrário: o Santos começou ganhando e permitiu que a Ponte Preta virasse e vencesse a partida. Mesmo com o comportamento da torcida, que é hostil quando o time está mal, os jogadores preferem pensar numa reação positiva. "Vamos aproveitar o fato de jogar em casa", disse o experiente Cléber. Para ele, falta ao time acertar alguns detalhes, como aqueles que permitiram que a Ponte vencesse sábado passado. Pelo menos de público, nenhum jogador comemora o desfalque de Dida, Luizão e Kléber. "Temos que tomar cuidado com quem está entrando, pois vão querer mostrar serviço", disse o lateral-esquerdo Léo. Robert concorda e lembra que Vampeta fará sua reestréia no Corinthians. "Esse adversário é sempre perigoso", comentou Robert, completando. "O Santos tem que impor seu ritmo para vencer." Roth não confirmou o time que enfrentará o Corinthians. Ele fez vários testes no meio-de-campo e no ataque. Na segunda-feira, recuou Elano e experimentou Douglas e William mais à frente. No coletivo desta terça-feira, Wellington fez a função de meia-esquerda, enquanto Elano voltava a formar a dupla de ataque com William. No time reserva, os atacantes foram Douglas e Oséas, que fez seu primeiro treino com bola. Roth fez mistério quando falou sobre a possibilidade de Oséas estrear. "Ele fez um trabalho físico pela manhã e o primeiro técnico à tarde", desconversou, completando: "Oséas está se encaminhando." Se o clássico sempre apresenta risco pela rivalidade dos dois times, o capitão da PM Sérgio Del Bel acredita que "teoricamente, será um jogo bastante tranqüilo, já que o torneio está apenas começando e a partida será realizada num dia normal de semana". Mesmo assim, acha que "todo cuidado é pouco". Tanto que a Polícia Militar destacou 210 homens para o policiamento já às 18h30, oito veículos estarão em volta do estádio a partir das 13 horas e os ônibus que vierem da capital serão escoltados da entrada da cidade até a Vila Belmiro.

Agencia Estado,

29 de janeiro de 2002 | 19h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.