Rótulo de violento preocupa São Caetano

As acusações do Santos de que o São Caetano entrou em campo, no jogo de sábado, determinado a usar da violência para parar o adversário deixaram o clube do ABC paulista em estado de alerta. A diretoria e a comissão técnica temem que estas denúncias possam causar problemas para o time nas próximas rodadas do Campeonato Brasileiro.O técnico Tite viajou para Porto Alegre, onde mora sua família, preocupado com a possível repercussão negativa deste episódio. Ele voltou a garantir que jamais vai mandar um jogador bater num adversário e voltou a lembrar que o São Caetano é o time mais disciplinado do Brasileiro, com 103 cartões amarelos e sete vermelhos.O São Caetano continua atrás do objetivo de chegar à Copa Libertadores de 2004. Pretende, portanto, terminar a competição entre os cinco primeiros colocados. No momento, soma 58 pontos e ocupa a sexta posição, bem perto de Atlético-MG (60), São Paulo (61), Coritiba (62) e até do próprio Santos (64).Defesa - Para o supervisor de futebol do São Caetano, Carlos Baptista, "todas acusações são infundadas". Ele garante que seus jogadores não cometeram faltas desleais e defende o técnico Tite de qualquer responsabilidade. "Trata-se de um profissional competente e ético. Jamais ele pediu para nossos jogadores baterem nos adversários. Só pediu, como faz sempre, empenho e dedicação de todos".Carlos Baptista citou ainda que quem está no prejuízo é o São Caetano, que perdeu o volante Marco Aurélio com uma luxação no ombro após entrada, segundo ele, desleal de Robinho, no segundo jogo da Copa Sul-Americana, realizado há duas semanas. Outro caso teria acontecido no Campeonato Paulista Sub-20, quando o jogador Paulo teve um dente quebrado numa cotovelada recebida também de um santista.Os jogadores se apresentam no estádio Anacleto Campanella nesta terça-feira às 10 horas. Depois começam a trabalhar de olho no jogo contra o Vitória, domingo, em Salvador. O zagueiro Dininho, com três amarelos, e o atacante Adhemar, expulso, serão desfalques certos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.