Rudi sai se Alemanha não for à copa

O técnico Rudi Voeller garantiu, nesta sexta-feira, que se demite, caso a seleção da Alemanha não consiga classificar-se para a Copa de 2002. O treinador observou que o time tem a obrigação de ser um dos 32 participantes do torneio, pela tradição e força de seu futebol.Se falhar nos duelos do Grupo 9 das eliminatórias européias, o antigo centroavante da Roma adianta que encerra a carreira de treinador, iniciada logo após a Euro-2000. "Se não formos à Copa, eu vou embora", insistiu o campeão do mundo em 90. A Alemanha lidera a chave, com duas vitórias, e joga neste sábado contra a Albânia, em Leverkusen, e enfrenta a Grécia, quarta-feira, em Atenas. "Uma derrota contra os albaneses, neste momento, seria uma catástrofe", reconheceu o ex-jogador. "Prejudicaria o processo de recuperação de nosso futebol." Voeller assumiu o comando da seleção em agosto do ano passado, depois do fiasco alemão na Eurocopa. No torneio disputado na Bélgica e na Holanda, a equipe nacional defendia o título conquistado em 96, na Inglaterra, mas não venceu nenhuma partida e ficou em último lugar na primeira fase. O acordo inicial previa a permanência no cargo só até julho de 2001, quando passaria o bastão para Christoph Daum, treinador do Bayer Leverkusen. Os planos foram alterados porque, em novembro, Daum se viu envolvido em escândalo por uso de drogas. Como consequência, perdeu o emprego no Leverkusen e também ficou fora da seleção. Voeller, então, foi confirmado como treinador principal. Os bons resultados contra Grécia e Inglaterra, nas Eliminatórias, animaram. Mas derrotas em amistosos para Dinamarca e França abalaram a confiança no trabalho do novo treinador. "Agora, temos não só a obrigação de vencer, mas também a de jogar bem", avisou Voeller. "Só dessa forma, poderemos convencer os torcedores de que podem confiar na gente."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.