Gilvan De Souza / Flamengo
Gilvan De Souza / Flamengo

Rueda descarta Juan e confirma jovem Lincoln como opção para quarta

Flamengo reedita com o Cruzeiro final da Copa do Brasil pelo Brasileirão

Estadão Conteúdo

07 Novembro 2017 | 15h42

Na véspera da reedição da final da Copa do Brasil diante do Cruzeiro, o técnico Reinaldo Rueda confirmou a baixa de Juan. O zagueiro de 38 anos não se recuperou de um problema muscular e seguirá fora da equipe do Flamengo no duelo marcado para esta quarta-feira, no Luso-Brasileiro, pela 33.ª rodada do Campeonato Brasileiro.

+ Rueda admite responsabilidade por derrota em Porto Alegre

"O Juan não joga amanhã. Ele está bem, em transição. Já saiu do departamento médico. No entanto, ainda não está 100%. É melhor prevenir uma recaída, então o prepararemos para o jogo seguinte", declarou o treinador, até pensando na semifinal da Copa Sul-Americana, contra o Junior Barranquilla.

Juan sofreu uma lesão muscular no empate com o Fluminense, quarta-feira passada, e foi desfalque contra o Grêmio, no domingo. Sem ele, e também se Réver, que se recupera de um problema no joelho, a defesa do Flamengo deverá ser novamente formada por Rhodolfo e Rafael Vaz diante do Cruzeiro.

Se Juan é baixa no ataque, Trauco, na lateral esquerda, Diego, no meio de campo, e Guerrero, no ataque, completam a lista de ausências do Flamengo. Para o setor ofensivo, o jovem Lincoln, de apenas 16 anos, aparece como opção. O centroavante começou a trabalhar com o elenco principal nesta semana e será relacionado entre os profissionais pela primeira vez.

"Solicitei o Lincoln antes da Copa do Mundo (Sub-17) com a seleção brasileira. Torcemos muito pelo seu sucesso. Agora, graças a deus, está de volta conosco. É um garoto com muito futuro, com boa técnica e muito cerebral, centrado. Fez poucas sessões de treinamento conosco, mas as fez muito bem. Esperávamos trazê-lo até antes do problema de Paolo", explicou Rueda.

Diante de tanto desfalque, o colombiano admitiu a dificuldade de armar o time para encarar o Cruzeiro e apostou na conversa para aprontar o Flamengo. "Apenas com diálogo com os jogadores, aproveitando as poucas horas e tendo diálogos individuais. Analisando a situação, ouvindo o que dizem os jogadores e assumindo a responsabilidade", explicou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.