Gaspar Nóbrega/Vipcomm
Gaspar Nóbrega/Vipcomm

Runco elogia condição médica do grupo da seleção brasileira

Médico do grupo também desmentiu possibilidade de ocorrerem cortes por causa de contusão

Almir Leite, Leandro Silveira e Sílvio Barsetti, enviados especiais, O Estado de S. Paulo

28 de maio de 2014 | 16h50

TERESÓPOLIS - O principal objetivo do preparador físico da seleção brasileira, Paulo Paixão, e do chefe do departamento médico da equipe nacional, José Luiz Runco, é formar um grupo de jogadores fisicamente homogêneo até a estreia na Copa do Mundo, dia 12 de junho, contra a Croácia, no Itaquerão, em São Paulo. Os atletas se apresentaram na segunda-feira em diferentes estágios, mas, segundo Runco, todos estão física e clinicamente em bom nível.

"Todos os jogadores estão em condições de treinar dentro de uma programação. Estamos buscando o mesmo equilíbrio muscular para ter um grupo homogêneo na competição", disse Runco. "Reparos (na condição física dos atletas) vão ocorrer", acrescentou, tratando também de desmentir a possibilidade de cortes por contusão. "Já cortaram o Maicon, o Oscar e o Jô. Isso é espetacular. Mas nenhum jogador está em vias de corte."

Para alcançar essa homogeneidade, haverá trabalhos específicos e individuais para os atletas que necessitarem de maior atenção - Runco não quis dizer quais estão mais debilitados fisicamente - e, por isso, jogadores podem ser poupados em alguns treinos com bola. "Mas sempre que isso ocorrer é para que o atleta faça o trabalho específico para sua condição", adiantou Runco.

Paixão disse ser muito complicado obter o mesmo nível físico dos 23 jogadores, mas é possível deixar todos em excelentes condições. "Homogeneidade é utopia, pois cada atleta tem um linear, de força, orgânico... Na seleção a gente busca fazer com o que o atleta atinja o seu linear para, na Copa, todos estarem em condições."

Para isso, além de treinos físicos específicos, existe a possibilidade de jogadores serem poupados nos amistosos, tanto do dia 3 em Goiânia contra o Panamá como no do dia 6 de junho com a Sérvia, no Morumbi. "É prematuro (dizer que haverá jogador poupado), pois estamos no início do trabalho. Mas cada um apresenta um nível específico. Se isso (jogador a ser poupado) acontecer, na sexta-feira ou no sábado será decidido. O jogador ficará no processo de recuperação. Mas hoje ninguém está fora do ponto de vista médico", garantiu Runco.

Alguns jogadores não se apresentaram nas melhores condições físicas, apesar das insistentes negativas do médico e do preparador físico. São os casos, por exemplo, de Oscar, Maicon, Paulinho e Jô. Neymar está muito bem, garantiram.

Paulo Paixão disse que o planejamento para a Copa prevê que os jogadores atinjam o nível máximo física e organicamente no terceiro jogo. "A partir daí é feita manutenção, para que cheguem ao auge no sétimo jogo", afirmou, em relação à final.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.