Runco minimiza lesão de Neymar e diz: 'Não preocupa'

Médico garante que todos os jogadores que saíram machucados da partida contra o Chile serão submetidos a tratamento convencional

Luiz Antônio Prósperi, Agência Estado

29 de junho de 2014 | 12h33

Neymar será avaliado nesta segunda-feira na Granja Comary, em Teresópolis. O jogador sofreu uma "paulistinha" na coxa esquerda ao dividir uma bola com Aránguiz, por volta dos 15 minutos do primeiro tempo, e jogou até fim da partida contra o Chile, no último sábado, pelas oitavas de final da Copa do Mundo, no sacrifício. O médico da seleção brasileira, José Luiz Runco, disse logo após o jogo que o craque não tem lesão grave e garantiu a participação dele no jogo contra a Colômbia, sexta-feira, em Fortaleza.

"Nenhum jogador teve um problema sério na partida. A maioria dos casos é de pancada, cãibra, ninguém preocupa. O melhor remédio agora é folga, descanso, relaxar, esfriar a cabeça. Folga total", disse Runco neste sábado. "A gente tem de entender que o jogo foi às 13h, horário atípico, portanto suscetível a problemas físicos. Neymar, Fernandinho, David Luiz tiveram problemas no jogo, mas ninguém preocupa."

Neymar disse que sentiu muita dor durante a partida. "É claro que incomodou, mas deu para suportar. Esse jogo teve de tudo: dor, emoção, sofrimento. Agora vamos esfriar a cabeça, voltar a respirar e pensar no próximo jogo."

O médico da seleção garante que Neymar e outros jogadores que saíram machucados da partida contra o Chile serão submetidos a tratamento convencional a partir desta segunda-feira na Granja Comary para dar início à recuperação física.

Apenas David Luiz deve receber atenção especial. O zagueiro foi obrigado a tomar uma injeção para suportar as dores de uma contratura nas costas para poder atuar diante dos chilenos. David diz que sentia muitas dores, mas que não deixaria de jogar.

Tudo o que sabemos sobre:
Copa 2014futebolBrasilNeymar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.