Reuters
Reuters

Rússia descumpre prazo e segue sem pagar salários de Capello

Técnico italiano não recebe pagamento desde junho e pelo novo atraso, presidente da federação de futebol pode ser banido do cargo

Estadão Conteúdo

20 de janeiro de 2015 | 10h57

A União de Futebol da Rússia (RFU, na sigla em inglês) não conseguiu realizar o pagamento dos salários atrasados de Fábio Capello, técnico da seleção russa, no último prazo estipulado. Em meio aos problemas financeiros da entidade, Capello recebeu seu último salário em junho, e as autoridades russas estipularam a data-limite de 19 de janeiro para que um pagamento fosse realizado antes de medidas legais serem tomadas, mas o acerto não ocorreu.

A Agência Federal Russa do Trabalho e Emprego, conhecido pela abreviatura Rostrud, não fez nenhuma menção de qualquer processo judicial em um comunicado, dizendo apenas que iria abrir uma "inspeção não programada" da RFU para exigir o pagamento da dívida com Capello. 

Sob a lei russa, o presidente da RFU, Nikolai Tolstykh, poderá ser banido do seu cargo por até três anos por falta de pagamento de um empregado. Ele disse nesta terça-feira que recebeu uma quantidade de "fundos extra" da Fifa na semana passada e que pretendia usá-los para pagar Capello, mas estes não foram suficientes para cobrir toda a dívida.

Para o país-sede da Copa do Mundo de 2018, o caso tornou-se um grande embaraço. Durante uma visita à Rússia nesta terça-feira, o presidente da Uefa, Michel Platini, chamou a situação de "uma propaganda muito ruim para o futebol russo". 

Sob os termos de uma extensão de contrato de quatro anos assinada em 2014 e que terminará depois de a Rússia receber a Copa do Mundo de 2018, Capello tem um salário de 8 milhões de euros (R$ 24,6 milhões) por ano.

A Rostrud começou a investigar o atraso de salários de Capello no ano passado e disse que identificou mais de 181 milhões de rublos (mais de R$ 7,3 milhões) em salários não pagos entre junho e novembro. A RFU não realizou pagamentos desde então.

O contrato de Capello é em euros, mas pago em rublos de acordo com a taxa de câmbio no momento do acerto. Após a queda do valor do rublo, o pagamento dos salários podem agora ter um custo muito maior do que anteriormente. 

Capello, porém, insiste que os atrasos não tem relação com o momento da seleção da Rússia, com apenas uma vitória nos últimos oito jogos oficiais, incluindo a eliminação sem triunfos na fase de grupos da Copa do Mundo de 2014.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.