Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Mark Thompson/ Getty Images
Mark Thompson/ Getty Images

Rússia endurece leis contra torcedores violentos um ano antes da Copa

Congressistas do país decidem dobrar as multas para casos de desordem promovida por torcedores reincidentes

Estadao Conteudo

22 de março de 2017 | 15h10

Faltando pouco mais de um ano para a Copa do Mundo, a Rússia endureceu a lei para combater a violência em eventos esportivos. Os congressistas do país decidiram nesta quarta-feira dobrar as multas para casos de desordem promovida por torcedores reincidentes.


A decisão da Câmara Baixa do Parlamento subiu o valor das penas para 40 mil e 50 mil rublos, algo em torno de R$ 2.140 a R$ 2.600. Os torcedores também poderão ser detidos por até 15 dias. Atualmente, os fãs que se envolvem em confusão podem ser banidos de arenas esportivas na Rússia por até sete anos.


A legislação mais rígida é uma precaução das autoridades russas para evitar que se repita no País o que aconteceu na França, durante a Eurocopa do ano passado. O torneio foi marcado por diversos confrontos entre torcedores, principalmente russos, em diferentes cidades francesas.

Em Marselha, onde as seleções de Rússia e Inglaterra se enfrentaram, torcedores dos dois países entraram em confronto. Em Lille, houve troca de garrafadas e cadeiradas em um bar. A Rússia jogava na cidade e a Inglaterra, em Lens. As duas localidades são separadas por apenas 40km.


A UEFA, entidade que rege o futebol europeu, ameaçou tirar os dois países da competição devido à agressividade dos torcedores, mas as medidas punitivas não avançaram nesse sentido. Entretanto, a União de Futebol da Rússia (UFR) foi multada em 150 mil euros (cerca de R$ 585 mil).

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCopa 2018 Rússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.