Rússia não vê imprevistos para entregar obras da Copa de 2018 dentro do prazo

Apesar de uma fraca atividade econômica, da tensão internacional sobre a Ucrânia e de uma investigação em sua proposta para sediar a próxima Copa do Mundo, a Rússia está confiante de que tudo estará pronto antes de a bola rolar em seus gramados, em 14 de junho de 2018. 

REUTERS

13 de julho de 2015 | 15h36

“O sonho vai se realizar”, disse Vladimir Leonov, ministro dos Esportes para a república russa do Tatarstão, a repórteres na capital regional de Kazan. “A Copa do Mundo está vindo e temos sorte de ver isso em nossa época.” 

Organizadores russos dizem que seu torneio será entregue conforme o planejado. Dos 12 estádios que estão sendo construídos ou reformados, desde Kaliningrado, no Mar Báltico, até Yekaterinburg, na fronteira onde a Europa encontra a Ásia, três já estão completos e os trabalhos já começaram em outros oito. O último a ser iniciado, de Kaliningrado, deve começar no fim deste mês.

Com poderosos apoiadores, não é surpresa que os preparativos para o campeonato estejam em dia. 

O presidente russo, Vladimir Putin, vê a Copa do Mundo como oportunidade para mostrar a Rússia como uma potência global e impulsionar sua própria imagem antes da eleição presidencial em 2018, pouco antes de o campeonato começar. 

A Rússia conquistou o direito de sediar o torneio em 2010, com uma proposta de construir instalações esportivas de alta qualidade e de colocar cidades regionais no mapa.

Desde então, diversos potenciais problemas emergiram. A economia da Rússia está sofrendo em meio a um colapso dos preços globais de petróleo e por causa de sanções impostas pelo Ocidente após ter anexado a península da Crimeia, antes da Ucrânia, a seu próprio território no ano passado. 

(Por Jack Stubbs e Mike Collett)

Tudo o que sabemos sobre:
FUTCOPARUSSIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.