Ruy Castro une futebol e literatura

Ruy Castro escreveu 208 páginas sobre o Flamengo no livro "O Vermelho e o Negro", lançado no início de novembro. Gostaria de ter escrito muito mais. Assunto não lhe faltava. Como ele mesmo disse, vem recolhendo material para essa obra desde os 6 anos de idade, quando se descobriu um rubro-negro apaixonado.O livro faz parte da coleção "Camisa 13", da editora DBA, que terá 13 volumes com os 13 clubes mais populares do Brasil (também já foi lançado o segundo volume -"Dicionário Santista", de José Roberto Torero).Não é a primeira vez que Ruy Castro escreve sobre futebol. Suas obras têm peças fundamentais da história desse esporte no País. Quem leu as biografias de Nelson Rodrigues, Garrincha e as coletâneas de crônicas sobre futebol selecionadas por ele, já sentiu esse prazer. Ruy Castro quebrou o tabu no Brasil de que futebol não rende boa literatura.Nesta entrevista ao Jornal da Tarde, o escritor contou do prazer que teve ao escrever a história do Flamengo. Revelou também os motivos de não se ter um grande livro sobre Pelé e ainda sugeriu aos companheiros de profissão uma pauta: "Heleno de Freitas. Daria um livro espetacular. Craque dos anos 40, uma figura charmosa e trágica."Leia mais no Jornal da Tarde

Agencia Estado,

01 de janeiro de 2002 | 11h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.