S. Caetano ansioso para jogar em 2002

Por incrível que pareça, o desânimo dos jogadores e integrantes da comissão técnica do São Caetano neste final de ano não é fruto, exclusivamente, da perda do título para o Atlético-PR. Na realidade, todos queriam uma pausa após a desgastante disputa do Campeonato Brasileiro. No entanto, rechaçam alguma coisa mais longa, como férias.Um fato estranho, sobretudo diante do bagunçado calendário do futebol nacional, tão contestado pelos atletas. Mas existe uma explicação. Mesmo com o resultado negativo no domingo, todos estão convictos de que o trabalho está no caminho certo. Por isso, querem continuar em atividade. Dizem acreditar que o bom momento deve ser aproveitado. Afinal, ninguém sabe quanto tempo vai durar a ?vitrine?.Assim, as duas semanas de descanso, que, para a maioria dos jogadores de outros clubes é motivo de descontentamento, no Azulão atendem às expectativas. "No ano que vem, estaremos disputando todos os grandes torneios, como Rio-São Paulo, Brasileiro e Libertadores", disse o técnico Jair Picerni. "Só que dessa vez com mais vivência. Por isso, queremos mais é continuar trabalhando. O São Caetano ainda não atingiu seu máximo."A reapresentação do grupo está marcada para o dia 7, quando começa a pré-temporada. Ainda não está definido o local, mas a chance de a delegação seguir para Atibaia, tradicional reduto das concentrações, é grande. O primeiro desafio em 2002 será o Torneio Rio-São Paulo, competição pela qual o time do ABC tanto lutou. O campeonato começa no dia 19, mas a estréia do Azulão será no dia 20, contra a Portuguesa, no Canindé.Aprendizado - Picerni disse que a experiência foi a grande conquista do São Caetano em 2001. Para ele, tanto a campanha na Taça Libertadores de América quanto o decepcionante final do Campeonato Brasileiro esbarraram nesse ponto. O presidente do clube, Nairo Ferreira de Souza, concordou. "A falta de vivência acabou nos levando a cometer alguns erros de planejamento."O primeiro desafio será montar o elenco. "Nossa idéia é trabalhar com 28, 30 atletas", disse o vice-presidente de Futebol, Luiz de Paula. O lateral-direito Mancini, o atacante Magrão e o meia Esquerdinha não devem continuar na equipe.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.