S. Caetano encara fumaça e altitude

Uma das armas do São Caetano para superar os obstáculos na capital mexicana para chegar à final da Taça Libertadores é aproveitar a experiência anterior na própria competição. Seus maiores desafios na partida contra o América, nesta terça-feira, são a poluição e a altitude em torno de 2300 metros.Para o preparador físico, Flávio de Oliveira, o time está bem preparado fisicamente e pronto para suportar a mudança de altitude. Mas ele admite que, às vezes, "um ou outro jogador sente mais a diferença". Por causa da altitude é normal os jogadores apresentarem mais dificuldade para respirar. Além disso há outro agravante: a poluição. A Cidade do México é considerada a cidade mais poluída do mundo. "A vantagem é que jogaremos à noite, sem o calor e também com menos poluição", justifica Oliveira. Ele levou os 19 jogadores para o reconhecimento do gramado do Estádio Azteca no período da tarde desta segunda-feira. E considerou bom o estado físico do grupo, apesar das 18 horas de vôos nos últimos quatro dias.Mas o técnico Jair Picerni usa as experiências anteriores para mostrar aos jogadores que estes efeitos naturais não podem atrapalhar o rendimento do time. "Ano passado já jogamos aqui e foi tudo bem", lembrou o técnico, referindo-se ao jogo contra o Cruz Azul, ainda na fase de classificação. O time mexicano, na edição anterior, chegou a decidir o título com o Boca Juniors, da Argentina.Para os jogadores, existe ainda outro problema: a fanática torcida mexicana. "Eles são mesmo do povão, de ficar gritando e empurrando o time até o final do jogo", garante o centroavante Somália, que teve grande destaque na vitória, no ABC, por 2 a 0, no primeiro encontro válido pela semifinal. Picerni, como sempre, procura logo desmistificar o fato. "Não tem nada disso, não. Já enfrentamos jogos com as torcidas do Corinthians, Palmeiras, Vasco e Flamengo e não sentimos nada. Aqui não vai ser diferente".Como venceu o primeiro jogo, por 2 a 0, o Azulão pode perder até por um gol de diferença. Se perder por dois gols, então a decisão da vaga irá para a cobrança de penalidades máximas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.