César Greco/Ag. Palmeiras
César Greco/Ag. Palmeiras

Sacado, Leandro Pereira diz entender opção de Oswaldo

Atacante do Palmeiras perde espaço entre os titulares para a entrada de Cristaldo e garante não se incomodar com a mudança

Daniel Batista, O Estado de S. Paulo

11 de fevereiro de 2015 | 13h26

Uma das disputas mais equilibradas no Palmeiras neste início de temporada está no ataque, onde Leandro Pereira, Cristaldo e Rafael Marques disputam pelo menos uma vaga no ataque. Nos dois primeiros jogos do Campeonato Paulista, o técnico Oswaldo de Oliveira optou por Leandro Pereira, mas para o jogo com o Rio Claro, nesta quarta-feira, ele resolveu sacar o atacante e colocar Cristaldo e Rafael Marques. O novo reserva disse não se incomodar com a mudança.

"Respeito quem for entrar em meu lugar, seja o Cristaldo ou o Rafael Marques, como me respeitaram quando eu estava jogando", disse o atacante, que marcou um gol no Campeonato Paulista. Ele admite que chegou a pensar que poderia sair do time após a derrota por 1 a 0 para o Corinthians. "Pensei muitas coisas. Algumas vezes, achei que iria sair e em outras, não. Ainda mais da forma que perdemos, quando jogamos bem. Fui para casa chateado para caramba, mas resolvi deixar as coisas acontecerem", explicou.

Leandro não acredita que tenha perdido por más atuações. Em sua opinião, Oswaldo ainda está buscando uma formação ideal e por isso deve fazer alguns testes entre os titulares. "Mudanças são normais e cabe a quem tiver a oportunidade, saber aproveitar da melhor forma possível e quem estiver fora, ficar tranquilo." Na análise do atacante, ele já conseguiu mostrar que pode ajudar. "Claro que todo jogador quer jogar, mas não fico preocupado com essa questão. Sei o que posso render e meus companheiros podem render também".


Um fato curioso tem incomodado alguns torcedores. O Palmeiras não conseguiu vencer como mandante no Allianz Parque. Foram quatro jogos oficiais, sendo dois empates e duas derrotas. A vitória sobre o Osasco Audax tinha o time adversário como mandante. "Existe essa pressão (vencer em casa), mas é maior dos torcedores. Claro que a gente quer vencer sempre, mas não podemos deixar isso atrapalhar. Quanto mais pressão existir, pior para nós. Temos que encarar da melhor maneira possível e o Oswaldo tem passado muita tranquilidade", explicou o jogador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.