Ivan Storti/Santos FC
Ivan Storti/Santos FC

Sacado no intervalo, Jobson estreia pelo Santos após 6 meses: 'Será importante'

Contratado após o Paulistão, volante ainda não tinha sido aproveitado por Jorge Sampaoli

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de outubro de 2019 | 07h56

Anunciado como reforço pelo Santos em 16 de abril, Jobson precisou esperar seis meses para fazer a sua estreia. E ela durou apenas 45 minutos. Escalado como titular nesta quinta-feira, ele não voltou do intervalo da vitória do time por 2 a 1 sobre o Ceará, na Vila Belmiro, pela 26ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Jobson teve desempenho irregular, até acertando algumas viradas de jogo, mas caiu de rendimento especialmente após o Ceará abrir o placar. No intervalo, o técnico Jorge Sampaoli trocou o volante pelo lateral-direito Pará. Ainda assim, fez elogios ao meio-campista, apostando que o jogador, destaque do Red Bull Brasil no Campeonato Paulista, poderá ser útil na sequência da temporada.

"A escolha por ele tem a ver com o 4-4-2 que tinha o Ceará, ele era o cinco. Para encontrar o homem livre, precisamos do passe do Jobson. Pela preparação dele, essa parecia ser a partida adequada. Infelizmente, com as linhas fechadas do Ceará, não conseguimos encontrar Sánchez e Evandro no primeiro tempo. Colocamos um lateral e o Pituca como cinco, para gerar uma equipe mais ofensiva do que já era. Quando se acomodar, Jobson será um jogador importante", disse.

A escalação de Jobson não foi a única novidade da formação santista para o duelo com o Ceará. O treinador optou por uma formação com três zagueiros - Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Luan Peres - e sem sequer um lateral, sendo que quatro estavam no banco de reservas - Pará, Victor Ferraz, Jorge e Felipe Jonatan. Além disso, dois estrangeiros foram outras novidades da formação: o uruguaio Carlos Sánchez, que voltou de suspensão e deu assistências para os gols do time, e o venezuelano Soteldo, que retornou de sua seleção e teve atuação ruim.

Na etapa final, Sampaoli colocou dois laterais em campo - Pará e Jorge - e o Santos conseguiu a virada, com dois gols em jogadas aéreas, premiando a disposição do time, que teve atuação irregular.

Em sua entrevista coletiva, Sampaoli explicou qual era o seu plano quando definiu a escalação e admitiu o desempenho ruim da equipe na etapa final. "O plano da partida era jogar no 3-2-5, para parar as transições do Ceará. Não tivemos muita eficiência em incomodar o rival no começo. No segundo tempo, demos profundidade ao time. Precisei mudar porque o Ceará estava muito fechado e achou um gol em jogada esporádica", afirmou.

Com a vitória, o Santos chegou aos 51 pontos, em terceiro lugar no Brasileirão, e voltará a jogar no domingo, quando visitará o Atlético Mineiro, no Independência. Nesta sexta-feira, o time treinará no CT Rei Pelé a partir das 11 horas.

Para Entender

Programação de tv

Veja as principais atrações esportivas do dia

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.