Sacrifício não prejudicou Grafite

A lesão no joelho direito que tirou Grafite da Copa Libertadores é a mesma que o atacante sofreu na vitória por 1 a 0 sobre o Palmeiras, dia 18 de maio. Mas a conclusão de que a cirurgia é a melhor alternativa para resolver o problema só foi tomada após a goleada por 4 a 0 diante do Tigres, duas semanas depois. Essa é a explicação de Marco Aurélio Cunha, médico e superintendente de Futebol do São Paulo. "Ele jogou no sacrifício, mas o problema (lesão do ligamento colateral lateral) não se agravou", garantiu. "Decidimos fazer a operação para que não sofra conseqüências mais graves no futuro." Grafite se apresenta à equipe médica no Hospital do Coração às 10 horas. A cirurgia, que será realizada pelo médico Renê Abdalla, deve começar às 14 horas e durar uma hora e meia. O atacante ficará em tratamento e só deve voltar aos gramados em dois ou três meses. "Se esperássemos mais pela cirurgia, as referências anatômicas da lesão seriam outras e o quadro se complicaria." Em razão do desfalque de Grafite, a diretoria analisa se pedirá a liberação de Diego Tardelli, na seleção sub-20, ou contratará outro atacante. O presidente Marcelo Portugal Gouvêa afirmou que o clube não recebeu proposta do Real Madrid pelo zagueiro Lugano e desmentiu o interesse por Richarlysson, ex-Santo André. "Ele falou que foi procurado porque, como todo jogador, quer atuar aqui. É um bom jogador, mas nem o procuramos", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.