Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Saiba 5 motivos que explicam a eliminação do Palmeiras na Libertadores

Equipe alviverde apresentou falhas em setores que o time se destaca e erros custaram caro

Ciro Campos, Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

01 Novembro 2018 | 11h00

O Palmeiras deixou a fase de grupos da Libertadores como o time de melhor campanha e favorito ao título da competição continental. Passou por grandes clubes até que encontrou o Boca Juniors e não soube lidar com a experiência e catimba do time argentino, que venceu em casa por 2 a 0 e depois segurou o empate em 2 a 2 no Allianz Parque. Assim, o time de Luiz Felipe Scolari vê, mais uma vez, o sonho do bicampeonato continental chegar ao fim. Mas, quais foram os motivos para a eliminação.

O Estado destacou cinco pontos que ajudam a explicar a razão da equipe alviverde não ter superado o Boca Juniors. Os problemas vão desde quantidade de jogadores, até a parte psicológica, que talvez tenha faltado em momentos determinantes.

Elenco enxuto

Já virou rotina ouvir de torcedores e até jornalistas que o Palmeiras é o clube que mais contrata, que tem dois ou três times, dentre outras teorias, mas o fato é que o ritmo intenso da equipe em campo fez com que faltasse pernas para alguns atletas, que tem atuado com maior frequência. O Palmeiras tem 28 jogadores em condição de jogo e ao conciliar competições, viu alguns deles ficarem muito cansados nesta reta final. O atleta com mais atuações na temporada, Willian, deixou machucado a semifinal com o Boca.

Que saudades do Keno...

O fato é que desde a venda de Keno ao futebol do Egito, a equipe carece de um jogador veloz e driblador pelas pontas. Jogador desse estilo fez falta na semifinal. No elenco, quem mais se aproxima dessa característica é Dudu, mas o esquema tático adotado por Felipão fez com que ele atuasse em outra parte do gramado e tivesse funções distintas.

Abalo psicológico

Dois gols em quatro minutos na Bombonera derubaram a campanha do time. Após cinco vitórias como visitante, o vacilo na semifinal custou caro e o time não conseguiu reverter a situação. Tanto em La Bombonera como no Allianz Parque, alguns jogadores claramente se mostraram abalados e nervosos de forma exagerada.

Artilheiro apagado

Borja tinha a chance de se tornar artilheiro da Libertadores, é o artilheiro do time no ano, mas o colombiano teve atuação apagada na semifinal. No primeiro duelo, não conseguiu sair da boa marcação do Boca e na partida de volta, entrou no decorrer do jogo e não levou perigo aos argentinos. Aliás, o ataque alviverde não foi bem contra o Boca. Tanto que os dois gols marcados foram de zagueiros (Luan) e Gustavo Gómez.

Defesa que ninguém passa falhou

Os zagueiros Luan e Gómez estão invictos no Brasileiro e ganharam chance na Libertadores justo na semifinal, quando tiraram Antonio Carlos e Edu Dracena. Falhas na marcação permitiram a Benedetto e Ábila marcarem os gols decisivos e frustrarem a sequência invicta da dupla. Teve, no todo, teve muitas dificuldades para conseguir lidar com um centroavante fixo dentro da área.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.