Rodrigo Gazzanel/ Ag. Corinthians.
Rodrigo Gazzanel/ Ag. Corinthians.

Saiba quais são os valores da negociação entre Corinthians e Benfica por Pedrinho

Alvinegro recusa oferta inicial dos portugueses, que envolve a cessão em definitivo de Yony González, mas não fecha as portas

Redação, O Estado de S.Paulo

30 de janeiro de 2020 | 19h16

O presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, está em Lisboa para negociar a venda de Pedrinho para o Benfica. O jogador tem contrato com o clube alvinegro até 2023. Sua multa rescisória é de 50 milhões de euros (aproximadamente R$ 227 milhões). O Benfica ofereceu 15 milhões de euros (R$ 70 milhões) à vista e a cessão em definitivo do colombiano Yony González, que teria o valor de 5 milhões de euros (R$ 23 milhões).

O Corinthians recusou a oferta e pediu 20 milhões de euros (R$ 93 milhões) à vista mais González. A confirmação dos valores foram feitas pelo empresário de Pedrinho, Will Dantas, em entrevista à Gazeta Esportiva. O Corinthians tem 70% dos direitos econômicos de Pedrinho. Will Dantos deixou a negociação nas mãos da diretoria alvinegra. O único pedido foi postergar a liberação para o meio do ano, quando começa a temporada regular na Europa. Segundo o agente também, esse foi um pedido do próprio atleta, que está animado com a possibilidade de usar a camisa 10 do Corinthians e disputar a Libertadores. O time disputa a fase de classificação da competição sul-americana.

LIBERTADORES

A Conmebol atendeu à solicitação do Corinthians e alterou o local do jogo de ida do clube na pré-Libertadores. Agora, a equipe comandada por Tiago Nunes vai encarar o Guaraní, do Paraguai, na próxima quarta-feira, às 21h30, no estádio Nueva Olla, em Assunção, que pertence ao Cerro Porteño e tem capacidade para 45 mil torcedores.

Inicialmente, o Guaraní pretendia mandar a partida no Estádio luis Alfonso Giagni, com capacidade para apenas sete mil torcedores. O time paraguaio costuma fazer suas partidas no Defensores del Chaco, que está sendo reformado para as eliminatórias da Copa do Mundo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.