Salário atrasado vira problema na Lusa

O clima era para ser de paz hoje na Portuguesa após a vitória sobre o Figueirense, por 2 a 1, que garantiu à equipe, uma vaga na segunda fase da Copa do Brasil. Não foi. Alguns atletas, indignados por não terem recebido salários, reclamaram e uma reunião de emergência foi marcada com o presidente do clube, Amílcar Casado. Cléber, Emerson e Claudinho não receberam os salários referentes ao mês de janeiro e, chateados, bronquearam. "Achei estranho e fui conversar com o presidente (Amílcar). Ele disse que foi um erro administrativo, que não estava sabendo", ressaltou Cléber.Assim que tomou conhecimento, Amílcar Casado reuniu-se com todos os atletas do elenco e membros da comissão técnica para resolver o problema. Em uma breve conversa no vestiário, o acerto ocorreu. "Somos um clube que trabalha com os pés no chão. O atraso ocorreu em razão do fracasso na negociação do zagueiro Emerson, com o Lyon", explicou o dirigente. "Porém, não podemos tirar de apenas dois ou três jogadores. Se falta dinheiro, pagamos 70% do salário para todos." Para o dirigente, a reunião foi de grande valia pois, além de regularizar a situação dos atletas - receberão até segunda-feira - aproveitou para definir os prêmios para a Copa do Brasil. "Gosto de jogador que se expressa, ele mostra que tem brios. Além disso, o grupo saiu mais fortalecido para as seis decisivas partidas do Paulista," avaliou. O atacante Cléber saiu do vestiário mais tranqüilo. "Ainda bem que nossas queixas foram atendidas", disse. E chegou a brincar: "dá próxima vez, se o pagamento sair na hora do almoço, eu já estarei lá."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.